Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Telescópio Gigante e o Brasil

 

Estupendo! Extraordinário! Assombroso! Magnífico! Portentoso! Quantos são os adjetivos que devo utilizar para um telescópio de proporções que supera em muito os atuais e cujos resultados levarão a Astronomia a outro patamar? E o melhor disto é que os pesquisadores brasileiros poderão ter acesso.

 

É isto mesmo, meu caro leitor, parece incrível, mas existe uma enorme possibilidade do Brasil fazer parte do consórcio – atualmente conta com instituições de nove países – que irá administrar e utilizar este gigante instrumento.

 

Um workshop de apresentação do projeto foi realizado na semana passada para pesquisadores brasileiros e administradores da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Esta instituição está avaliando a possibilidade de aplicar 115 milhões de reais, ou 50 milhões de dólares, para uma participação de 5% nos custos do projeto.

 

Denominado Giant Magellan Tellescope (GMT), este telescópio terá sete espelhos de 8,4 metros de diâmetro que, combinados, equivalem a um de 25 metros de diâmetro, e uma resolução dez vezes superior a do telescópio Hubble, em órbita da Terra. O GMT será instalado no Chile, mais precisamente no Deserto do Atacama, no Observatório Las Campanas.

 

Com este investimento, os pesquisadores patrocinados pela Fapesp poderão ter acesso a um instrumento de ponta, possibilitando estar na vanguarda das pesquisas astronômicas.

 

Este é apenas um dos gigantescos telescópios em fase de projeto. O Brasil assinou um acordo para a entrada no consórcio do Observatório Europeu do Sul (ESO) que tem o projeto do E-ELT ou Telescópio Extremamente Grande, de 39 metros, mas, devido a entraves burocráticos, ainda não foi apreciado pelo Senado Federal.

 

Esperamos que este consórcio não tenha o mesmo fim da participação do Brasil na construção e utilização da Estação Espacial Internacional que fez 15 anos ontem (20 de novembro de 2013).