Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Surfando em Titã?

 

Semana passada cientistas da NASA divulgaram um resultado interessante de sua pesquisa sobre Titã, uma das luas de Saturno: a provável descoberta de ondas em seus mares. Se confirmada, será a primeira descoberta de ondas de mar fora da Terra.

 

Ao longo de suas várias órbitas nas proximidades de Titã, a sonda Cassini descobriu pequenos lagos e enormes mares compostos de metano, etano e outros hidrocarbonetos. Provavelmente ocorre evaporação dessa enorme massa líquida, e eventualmente a chuva, gerando um sistema meteorológico típico que inclui o surgimento de vento. No entanto, a sonda nunca tinha registrado vento ondulando a superfície dos mares de Titã. Os mares sempre pareceram lisos como o vidro, provavelmente porque os hidrocarbonetos líquidos são mais viscosos do que a água e, portanto, mais difíceis de mover, ou porque os ventos em Titã simplesmente não são fortes o suficiente para gerar ondulações nos mares.

 

A sonda Cassini, da NASA, avistou vários reflexos incomuns da luz solar na superfície de Punga Mare, um dos mares de hidrocarbonetos de Titã, entre 2012 e 2013. Segundo Jason Barnes, da Universidade de Idaho, os reflexos parecem vir de pequenas ondulações, com cerca de dois centímetros de altura, que estão se propagando ao longo do oceano.

 

A notícia da presença de ondas é fundamental. Não porque tenhamos encontrado um local “radical” para surfar, mas porque o estudo de como as ondas se propagam poderá ajudar a entender as condições físicas nos lagos e mares de Titã. A NASA planeja enviar uma sonda para estudar a superfície líquida de Titã, e certamente é bom saber se ela irá se espatifar, ou apenas produzir respingos durante o pouso.