Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Sputnik, o primeiro satélite artificial

Em 04 de Outubro de 1957 foi lançado o primeiro satélite artificial da Terra, o Sputnik. Em russo, Sputnik significava algo como “companheiro de viagem”, uma referência ao fato de acompanhar a Terra no seu movimento ao redor do Sol.

Este evento não foi só um avanço tecnológico marcante, mas o primeiro ponto de uma competição entre as duas superpotências que emergiram da Segunda Grande Guerra: EUA e URSS. A corrida espacial, inciada com a dianteira soviética, foi a contrapartida orbital de um conflito silencioso que já estava sendo travado aqui embaixo na Terra.

Os EUA estavam tentando, já há algum tempo, pôr um satélite em órbita quando receberam a notícia do Sputnik com assombro. A diferença entre um foguete lançador de satélites e um míssil intercontinental é relativamente pequena. Desde o fim da última grande guerra, bombas voadoras V2 capturadas na Alemanha serviram de inspiração para projetos militares no ocidente e oriente. Os primeiros mísseis intercontinentais estavam em franco desenvolvimento. Mas o objetivo espacial continuava vivo.

Do lado americano Wernher von Braun (1912-77), engenheiro alemão que desenvolveu a V2, enfrentava dificuldades técnicas e políticas para atingir o objetivo de pôr um objeto em órbita. Do lado soviético foi Sergei Korolev (1906-66) quem desenvolveu o R7, um foguete revolucionário. O R7 tinha dois estágios. O primeiro era composto de quatro cones ao redor do segundo estágio cilíndrico. Os cones se desprendiam durante o lançamento. O R7 usava querosene e oxigênio líquido como propelentes e tinha sido planejado para ser um míssil. Mais tarde este foguete deu origem a uma família de foguetes ativos até hoje.

O Sputnik era de uma simplicidade assombrosa: uma esfera de aproximadamente 58 cm, quatro antenas, baterias, um emissor de rádio, sensores de pressão e temperatura. O sinal de rádio do Sputnik era facilmente detectado por rádios caseiros. As primeiras vezes que ele passou sobre os EUA causava certo constrangimento, poderia dizer que essa era sua principal missão.