São Jorge

Ontem foi dia de São Jorge. Santo guerreiro, padroeiro da Inglaterra, da Catalunha e de vários outros países, estados e cidades. Aqui no Rio de Janeiro, minha base de atuação, esse santo é muito popular e seu dia é feriado estadual.

Em sua homenagem, em reconhecimento à sua popularidade junto aos cidadãos cariocas e fluminenses, e também por conta de uma lenda que diz que ele mora na Lua, o Planetário do Rio fez a seguinte postagem no Instagram:

Ela vinha acompanhada de um verso da música de Caetano Veloso (“Lua de São Jorge”), da informação clara de que se tratava de uma arte e nada mais.

Alguns dos nossos seguidores de pensamento científico mais ortodoxo nos criticaram. Interpretaram que estávamos, ainda que subliminarmente, corroborando a noção de que São Jorge mora na Lua. Não estávamos. Estávamos, isso sim, reconhecendo um fato da cultura popular brasileira. Cultura popular e ciência são ramos distintos de uma mesma árvore, a árvore da sabedoria e do conhecimento. Podem estar distantes entre si, podem se ignorar ao máximo, mas são mais fortes quando se tocam e se conectam.

Quando falamos de lendas gregas, mitos indígenas, panteões de divindades antigas e remotas, somos aplaudidos como cultos e sábios. Isso tem acontecido com frequência na série em que listamos a origem dos nomes dos dias da semana… Não deveria ser diferente quando falamos de uma lenda brasileira!

Lenda brasileira? Sim! Ao que tudo indica, São Jorge na Lua é uma história tipicamente brasileira. Vem do sincretismo religioso, que associa o santo a Ogum, orixá de força masculina, que busca na Lua a feminilidade necessária para o seu equilíbrio. Sem comprovações científicas, essas histórias são tão mitológicas como as aventuras de Hércules ou a luta de Seth com Osíris.

Então fica combinado assim: sabemos que o primeiro homem na Lua foi o astronauta americano Neil Armstrong, e não Jorge da Capadócia, soldado romano do exército do imperador Diocleciano. Mas o povo fala de São Jorge na Lua. Por que não aproveitarmos essa associação para trazer essa discussão para a Astronomia?

E, se formos muito rigorosos, São Jorge está lá na Lua sim! É uma cratera de cerca de 2,5km de diâmetro, localizada na região dos Apeninos Lunares. Fica a uns 4km a sudoeste do local de pouso da Apollo 15. Seus astronautas, David Scott e James Irwin, passearam com o jipe lunar sobre o que se acredita ser o material sedimentar ejetado quando da formação dessa cratera. Imclusive trouxeram algumas amostras do local…

Entre as lendas e as brumas da história, sejamos mais tolerantes com a cultura popular. E mais humildes também. São Jorge está na Lua. Não o santo, mas a cratera…

Published by Alexandre Cherman

Alexandre Cherman é astrônomo, doutor em Física e atualmente ocupa o cargo de Diretor de Astronomia.