Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

São Jorge

Ontem foi dia de São Jorge. Santo guerreiro, padroeiro da Inglaterra, da Catalunha e de vários outros países, estados e cidades. Aqui no Rio de Janeiro, minha base de atuação, esse santo é muito popular e seu dia é feriado estadual.

Em sua homenagem, em reconhecimento à sua popularidade junto aos cidadãos cariocas e fluminenses, e também por conta de uma lenda que diz que ele mora na Lua, o Planetário do Rio fez a seguinte postagem no Instagram:

Ela vinha acompanhada de um verso da música de Caetano Veloso (“Lua de São Jorge”), da informação clara de que se tratava de uma arte e nada mais.

Alguns dos nossos seguidores de pensamento científico mais ortodoxo nos criticaram. Interpretaram que estávamos, ainda que subliminarmente, corroborando a noção de que São Jorge mora na Lua. Não estávamos. Estávamos, isso sim, reconhecendo um fato da cultura popular brasileira. Cultura popular e ciência são ramos distintos de uma mesma árvore, a árvore da sabedoria e do conhecimento. Podem estar distantes entre si, podem se ignorar ao máximo, mas são mais fortes quando se tocam e se conectam.

Quando falamos de lendas gregas, mitos indígenas, panteões de divindades antigas e remotas, somos aplaudidos como cultos e sábios. Isso tem acontecido com frequência na série em que listamos a origem dos nomes dos dias da semana… Não deveria ser diferente quando falamos de uma lenda brasileira!

Lenda brasileira? Sim! Ao que tudo indica, São Jorge na Lua é uma história tipicamente brasileira. Vem do sincretismo religioso, que associa o santo a Ogum, orixá de força masculina, que busca na Lua a feminilidade necessária para o seu equilíbrio. Sem comprovações científicas, essas histórias são tão mitológicas como as aventuras de Hércules ou a luta de Seth com Osíris.

Então fica combinado assim: sabemos que o primeiro homem na Lua foi o astronauta americano Neil Armstrong, e não Jorge da Capadócia, soldado romano do exército do imperador Diocleciano. Mas o povo fala de São Jorge na Lua. Por que não aproveitarmos essa associação para trazer essa discussão para a Astronomia?

E, se formos muito rigorosos, São Jorge está lá na Lua sim! É uma cratera de cerca de 2,5km de diâmetro, localizada na região dos Apeninos Lunares. Fica a uns 4km a sudoeste do local de pouso da Apollo 15. Seus astronautas, David Scott e James Irwin, passearam com o jipe lunar sobre o que se acredita ser o material sedimentar ejetado quando da formação dessa cratera. Imclusive trouxeram algumas amostras do local…

Entre as lendas e as brumas da história, sejamos mais tolerantes com a cultura popular. E mais humildes também. São Jorge está na Lua. Não o santo, mas a cratera…