Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Queda de Meteoritos: Efeitos Imediatos

Quando os meteoritos estão em queda, podemos observar alguns efeitos que os acompanham. Esses fenômenos são visíveis e audíveis a grandes distâncias, causando uma grande euforia nas pessoas que os observam.

O fenômeno luminoso da queda de um bólido é provocado por dois fatores principais: a queima do próprio corpo sólido e a incandescência da atmosfera em torno do corpo queimando.

Quando um meteoróide em queda ultrapassa a altitude de 90 km, a atmosfera se torna densa o suficiente para começar a converter uma pequena fração da energia cinética do objeto em calor, que irá aquecer as partes externas do meteoróide, fazendo com que ele se torne incandescente a uma temperatura média de 1650ºC.

Inicia-se a catástrofe para o meteoróide. Com a contínua queda e o aumento da resistência do ar, o aquecimento continua. Começa o processo a que chamamos de ablação. O meteoróide incandescente vai perdendo material rapidamente por evaporação. Parte deste material, ao se separar da parte que está queimando, condensa-se também rapidamente, tanto em torno do próprio objeto quanto no ar.

O ar em torno da rocha em brasa começa a ficar ionizado, ou seja, inicia-se uma perda de elétrons dos gases atmosféricos. Ao recuperarem a sua configuração original, esses gases tornam-se incandescentes e passam a emitir luz, formando o rastro observado nos bólidos.

No fim da parte visível, observamos algumas vezes, dependendo principalmente da energia cinética do bólido, ocorrências de explosões, quando os meteoróides fragmentam-se em várias partes. Esse ponto é chamado de ponto de retardamento, do qual falaremos em outro artigo.

A cor da luz observada durante o fenômeno da queda é a mais variada possível. Em geral, relatos mostram que a luz branca é a mais observada, porém o verde, o vermelho e o amarelo também são vistos. Isto ocorre, basicamente, devido à composição química do meteoróide. Por exemplo, a queima do sódio produz uma intensa coloração amarelada, o níquel, uma luz esverdeada, o magnésio, quando queimado, emite uma cor branco-azulada, e assim por diante.

Um pouco mais terrificante que o efeito luminoso é o fenômeno sonoro produzido pela queda de um meteorito. Talvez hoje, acostumados com a poluição luminosa das grandes cidades, as pessoas não sintam tanto medo quanto o causado nos povos antigos que, algumas vezes, associavam a visão do bólido e o som à destruição e a castigos divinos.

O som relacionado com a queda de um meteorito pode ser ouvido em uma grande área. Investigações realizadas próximas à área de queda mostram que foram ouvidos num raio de 70 km.

A origem do som são as ondas de choque produzidas pela viagem do bólido a velocidades muito grandes, produzindo uma variedade de ruídos cacofônicos. A turbulência provocada na atmosfera pelo meteoróide, assim como reflexões das ondas sonoras em nuvens e na superfície produzem os diversos tipos de sons. Além disso, se o objeto quebrar em vários fragmentos, cada um desses irá produzir a sua própria onda de choque. Como os meteoróides viajam a velocidades muito maiores que a do som, eles podem ser vistos muito antes, às vezes até poucos minutos antes de serem ouvidos