Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Previsão para os próximos dias: chuva de diamantes

 

Prepare o guarda-chuva, as previsões para os próximos dias não são boas. Parece que teremos chuva na cidade do Rio de Janeiro até o próximo domingo. Felizmente, a previsão da chuva de diamantes não é para o nosso planeta, mas para Júpiter e Saturno.

 

Pelo menos é o que defenderam os pesquisadores Mona Delitsky e Kelvin Baines, durante a reunião da Sociedade Astronômica Americana para as Ciências Planetárias, que aconteceu na semana passada. A ideia é que os violentos relâmpagos nesses planetas “quebram” as moléculas de metano (que estão presentes em grandes quantidades nesses planetas), liberando átomos de carbono. Os átomos de carbono por sua vez, dão origem a uma poeira de carbono que, ficando mais pesada, se desloca para o interior de cada planeta. O interior dos planetas gasosos é bem denso, e com pressões e temperaturas elevadíssimas, comprimindo a poeira de carbono, transformando-o em grafite e, em seguida, em diamantes sólidos. A temperatura no interior deles pode chegar a alguns milhares de graus, e o que antes era diamante sólido, transforma-se em gotas de diamante derretido.

 

A conclusão da existência de diamantes em Júpiter e Saturno não é compartilhada com toda a comunidade científica. Alguns pesquisadores dizem que as condições atmosféricas nos planetas gasosos não são totalmente conhecidas, não sendo possível concluir que exista diamante nesses planetas.

 

 

Seja porque não existam diamantes nesses planetas, seja porque não estamos ainda em condições de explorar essa verdadeira mina de “gotas de diamante”, os mercados financeiros na Terra podem ficar tranquilos nas próximas décadas e, talvez, centenas de anos.