Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Polarização da Radiação Cósmica de Fundo

 

Hoje, dia 17 de março de 2014, foi anunciada uma das maiores descobertas da Astrofísica: a observação de ondas gravitacionais utilizando a Radiação Cósmica de Fundo. As ondas gravitacionais foram previstas pela Teoria da Relatividade Geral, formulada por Albert Einstein em 1915. Nesta teoria, a gravidade é tratada como o resultado da distorção no espaço-tempo causado pela presença de massa. Ao acelerar-se, a massa provoca uma ondulação no espaço-tempo que se propaga como uma onda sobre uma superfície de um lago.

 

Astrônomos do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics anunciaram a detecção destas ondas. Esta descoberta corrobora a teoria inflacionária para explicar o principal modelo de origem do Universo, o Big Bang. Além disto, o sinal encontrado é muito mais forte que o esperado, fazendo com que uma classe de modelos de inflação seja descartada, direcionando ainda mais as pesquisas para novas teorias físicas.

 

De acordo com Chao-Lin, da Universidade de Stanford, projetista do equipamento de detecção que encontra-se no Polo Sul, foi encontrada uma ondulação na polarização da imagem da Radiação Cósmica de Fundo que só pode ser criada por ondas gravitacionais produzidas pelo processo inflacionário.

 

Este resultado é tão espetacular e de tamanha significância que os pesquisadores ficaram receosos de divulgar para a comunidade científica e passaram o último ano realizando diversos testes para eliminar possíveis erros observacionais e de interpretação, além de enviar os dados para outros pesquisadores analisarem.

 

Esta descoberta é muito importante porque poderá fornecer informações sobre os primeiros momentos do Universo, coisa que outros indicadores e experimentos não conseguem captar pois, durante os primeiros 300 milhões de anos, o Universo era opaco para todos os tipos de radiação eletromagnética.

 

As ondas gravitacionais puderam se propagar na sopa primordial e agora fornecem informações de características imediatamente após o Big Bang, tornando-se provavelmente a única maneira de obter sinais da origem do Universo.

 

 

Para os mais curiosos, vejam o vídeo (em inglês) sobre a descoberta.

 

http://www.space.com/25090-big-bang-gravity-waves-discovered-video.html

 

Novas informações sairão em breve e falaremos mais sobre esta descoberta. Aguardem!