Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Phobos-Grunt, uma pequena queda

No domingo, 14 de janeiro, caíram no oceano Pacífico fragmentos da sonda russa Phobos-Grunt, desenhada para ir à lua marciana Fobos e retornar com amostras do solo. A sonda ficou presa em órbita da Terra por uma falha em seus motores durante o lançamento. Essa seria a primeira missão russa interplanetária nos últimos 15 anos.

Sempre que um objeto em órbita da Terra entra nas camadas mais densas da atmosfera, sem os parâmetros de reentrada corretos, ele é destruído. Isso aconteceu com o ônibus espacial americano Columbia, em 2003, que perdeu uma parte de seu revestimento externo, alterando sua forma, e acontece propositalmente diversas vezes para destruir satélites que terminaram sua vida útil. Assim, quando a Phobos-Grunt reentrou na atmosfera, foi destruída e apenas fragmentos chegaram à superfície.

Algo muito parecido ocorreu com o satélite americano UARS, que ficou sem comunicação com a base na Terra, e se destruiu na atmosfera terrestre no fim de 2011.

O programa espacial russo vem tentando se reerguer e a falha do Phobos-Grut foi um lamentável evento. Em geral, as notícias que nos chegam sobre astronáutica falam de conquistas americanas, mas é fundamental lembrar dos inúmeros sucessos obtidos pela União Soviética e, mais tarde, a Rússia. Antes do primeiro homem (um americano) pisar na Lua, os soviéticos já tinham enviado o primeiro animal para o espaço, colocado o primeiro homem em órbita, enviado a primeira sonda para a Lua e a primeira sonda para Vênus.

Os caras não fizeram poucas coisas e não são nada fracos. Além da Rússia temos também outros países atualmente, como China e Índia, mostrando seus rostos na conquista do espaço. Apesar de muitas vezes (ou sempre?) a tecnologia espacial ter estado ligada às atividades militares, o conhecimento e o alcance humanos pegam uma boa carona.

Esse aparente insucesso da Phobos-Grunt, que certamente, não servirá para desestimular os russos, também me lembra a explosão de um foguete na base de lançamento de Alcântara, ocorrido no mesmo ano do acidente com o ônibus espacial Columbia. O acidente matou cerca de 20 pessoas e muitas críticas foram levantadas sobre a competência dos engenheiros e técnicos brasileiros, e sobre os investimentos para nossa própria auto-suficiência em lançamentos espaciais.

Bom, os programas espaciais russos e americanos não pararam nem caíram no descrédito de seus cidadãos com nenhum dos acidentes ocorridos.

Leia mais sobre a missão Phobos-Grunt e seu fim nesses links, em inglês:
http://en.rian.ru/world/20120115/170769403.html
http://en.rian.ru/infographics/20111115/168723275.html