Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Pégaso: uma constelação cheia de surpresas

A primavera é a época do ano ideal para observar Pégaso, uma constelação boreal pouco conhecida entre os brasileiros. A lenda do cavalo alado, nascido do sangue derramado pela terrível Medusa, provavelmente é mais conhecida que a constelação. No entanto, a constelação apresenta uma riqueza de objetos celestes. 

Olhando para o norte, cerca de 45 graus acima da linha do horizonte, notamos 4 estrelas de brilho médio formando um quadrado. Apenas três delas fazem parte do Pégaso: Markab, Scheat e Algenib. A outra estrela do quadrado é Alpheratz, que faz parte da constelação de Andrômeda. A carta celeste abaixo ajuda a identificar a região.

Carta celeste do início da noite para a Cidade do Rio de Janeiro e arredores.

Uma das estrelas mais brilhantes da constelação é Scheat, uma enorme gigante vermelha quase 100 vezes maior que o Sol.

Outro objeto muito interessante na constelação de Pégaso é quase invisível a olho nu: é a estrela 51 Pégaso. Localizada a 50 anos-luz de nós, ela é bem parecida com o nosso Sol. Em torno dessa estrela, foi descoberto, em 1995, o primeiro planeta extrassolar. O planeta, que é gasoso e tem quase a metade da massa de Júpiter, está bem perto da estrela. Ele completa uma volta ao redor da estrela em apenas quatro dias.

Perto de Enif, temos o belíssimo aglomerado globular M15, descoberto em 1746 pelo astrônomo italiano Jean-Dominique Maraldi, durante uma busca por cometas. O aglomerado tem cerca de 13 bilhões de anos. Trata-se de uma relíquia dos primórdios de nossa galáxia, que dista 34.000 anos-luz. Uma de suas características mais marcantes é a alta concentração de estrelas: embora seu diâmetro seja de 200 anos-luz, mais da metade das estrelas está localizada nos 10 anos-luz centrais. De fato é uma das maiores concentrações de estrelas conhecidas.

Aglomerado globular M15. A seta amarela indica a posição da nebulosa planetária Pease 1. Crédito: NASA/ESA.

Outra curiosidade sobre o aglomerado globular M15 é a existência de um tipo raro de buraco negro em seu centro. Buracos negros supermassivos são encontrados no centro de galáxias, e podem ter bilhões de vezes a massa do Sol. No extremo oposto, buracos negros oriundos de estrelas podem ter cerca de 10 vezes a massa do Sol. Cálculo das velocidades das estrelas centrais em M15 indicam um buraco negro “intermediário”, com cerca de 4.000 vezes a massa do Sol.

Uma curiosidade histórica importante: M15 foi o primeiro aglomerado globular conhecido a possuir uma nebulosa planetária (uma nuvem de gás rodeando uma estrela que está morrendo). A nebulosa planetária se chama Pease 1 e foi descoberta, em 1928, por Francis G. Pease. Na imagem acima, Pease 1 é o objeto bem brilhante de cor azul identificado pela seta.

Trata-se de uma ocorrência extremamente rara: existem milhares de nebulosas planetárias em nossa Galáxia, mas, até hoje, conhecemos apenas quatro delas em aglomerados globulares. O Telescópio Espacial Hubble captou imagens delas:

As quatro nebulosas planetárias descobertas em aglomerados globulares. Da esquerda para a direita: Pease 1, IRAS 18333, JaFu 1 e JaFu 2. Crédito: Hubble.

Como você já percebeu, fato interessante é o que não falta sobre a constelação de Pégaso. Que tal aproveitar o momento propício e tentar identificar essa constelação? Use a carta celeste e tente identificar o “quadrado”. O aglomerado globular M15 pode ser observado com binóculo ou telescópio. 

Boa observação!