Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O Sol e suas irmãs gêmeas

 

Gêmeos sempre atraíram a atenção das pessoas. Não é algo comum de acontecer. Algumas estatísticas dizem que a ocorrência de gêmeos idênticos é cerca de 4 a cada 1.000 nascimentos. Os gêmeos podem ser bastante parecidos (univitelinos ou idênticos) ou terem muitas diferenças (multivitelinos), ou até mesmo nascerem um menino e uma menina. Mas uma coisa é certa, eles têm a mesma mãe.

 

E no espaço? Será que isso ocorre também? Vamos investigar. No que se refere a planetas, hoje os astrônomos estão em uma busca frenética para encontrar uma irmã gêmea da Terra. A motivação maior é que, se existir um planeta parecido com a Terra – mais ou menos do mesmo tamanho, com uma temperatura similar, a uma distância confortável (esteja na zona de habitabilidade) –, pode ser possível ter vida neste planeta. São cerca de mil e quinhentos planetas descobertos até agora, e poucos são os candidatos a irmã gêmea da Terra. Mas a busca continua.

 

Mas e as estrelas? Só na nossa galáxia são cerca de 200 bilhões de estrelas. E existem bilhões de galáxias no Universo. Será que temos uma irmã gêmea do Sol? Pode ser.

 

Um estudo recente, através da análise química de uma estrela e de sua órbita ao redor do centro da nossa galáxia, mostra que o Sol tem pelo menos uma irmã gêmea: HD 162826.

 

Não quer dizer que esta estrela seja parecida com o Sol, mas tem a mesma mãe. Como isso é possível? O Sol, como todas as estrelas nascem de uma nuvem de gás e poeira chamada de nebulosa. Essa nebulosa, por algum motivo – uma explosão de uma estrela próxima, por exemplo-, começa a se contrair juntando esse material no seu centro. Após milhões de anos, a temperatura neste núcleo é tão grande (cerca de 10 milhões de graus) que começa a fusão termonuclear (atómos de hidrogênio se juntam para formar um átomo de hélio) produzindo energia, na forma de luz e calor. A estrela brilha e dizemos que ela nasceu.

 

Mas a matéria desta nebulosa (a mãe) é suficiente para gerar dezenas ou milhares de estrelas. E cada uma segue o seu caminho. Pois agora, a equipe liderada pelo astrônomo Ivan Ramirez, da Universidade do Texas, conseguiu identificar uma das estrelas que nasceram da mesma nebulosa que deu origem ao Sol. Portanto, uma estrela gêmea de nosso astro rei, a estrela HD 162826. Ela não é visível a olho nu, mas com um pequeno binóculo. Fica a 110 anos-luz de distância, na constelação de Hércules, próxima da estrela Vega, da constelação da Lira, no hemisfério norte da esfera celeste. (Veja aqui)

 

A importância desta descoberta é que poderemos identificar de onde viemos, ou onde nascemos, e tentar entender como o nosso sistema solar se tornou hospitaleiro à vida. Existe, ainda, uma pequena chance de algumas destas estrelas também terem planetas com vida, quem sabe. Este estudo, pelo menos, permitirá encontrar outros irmãos do Sol que, porventura, esteja vagando pela nossa galáxia.

 

Uma nova “família” está para ser descoberta!