Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O Sol como nunca visto!

 

O observatório solar IRIS, lançado em 7 de junho de 2013, nos revelou esta semana imagens surpreendentes do Sol. Ele está estudando um dos lugares mais violentos daquele astro, entre a sua superfície e a sua atmosfera (a coroa). A temperatura naquela região supera facilmente os 10.000ºC e chega aos absurdos dois milhões de graus. Sabe-se que essa região de interface aquece a parte mais externa do Sol, a coroa solar. Este estudo também pode ajudar na compreensão da aceleração do vento solar e, como consequência, no aquecimento das camadas mais externas do Sol, e nos informar sobre a direção das erupções solares.

 

Na região de interface ocorrem “laços” gigantes de material solar subindo a partir da superfície. Esses laços, quando se rompem levam a tempestades solares que podem atingir a Terra e danificar os satélites, interferindo nas comunicações, interromper o fornecimento de energia, dentre outras coisas. Outro evento registrado são as espículas, fontes gigantes de gás a velocidades de mais de 200.000km/h, distribuindo calor e energia para a coroa solar.

 

O IRIS foi projetado com base no que se conhecia da região, com a ajuda de simulações feitas em computadores. Porém, o resultado está mostrando diferenças dos modelos com a realidade. E isso é bom para compreendermos melhor essa região e seus fenômenos e, assim, ajustar nossos modelos. Poderemos saber, por exemplo, em quanto tempo uma tempestade solar será percebida na Terra.

 

Se você quer ver as imagens do IRIS, dê uma olhada o seguinte endereço:

http://www.nasa.gov/content/goddard/iris-provides-unprecedented-images-of-sun/