Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O pulsar de um coração

O que se espera de um coração é que ele pulse, bata, sem parar. Então não tem nenhuma novidade no título deste texto, não é? A resposta é sim, se estivéssemos falando de um coração normal. Mas vou explicar.

O homem sempre busca formas conhecidas quando observa o céu. Foi assim com as constelações (Órion, Escorpião, etc.), há mais de cinco mil anos na Mesopotâmia, ou com índios no Brasil (Anta, Ena, etc.). Continua assim quando nomeamos as nebulosas e supernovas (Anel, Esquimó, Caranguejo, etc.). Já identificamos um rosto em Marte ‒ que nada mais era uma formação geológica, já desfigurada pela ação do vento e da erosão. Quando olhamos a Lua cheia podemos ver um “poodle”, ou um coelho, ou ainda um velho carregando um monte de feno. Basta usar a imaginação.

Desde que a sonda New Horizons (Novos Horizontes) chegou em Plutão, em 2015, e começou a nos enviar as suas imagens, uma formação em sua superfície chamou a atenção: um coração! É deste coração que estou falando.

Esta enorme região é chamada de Planície Sputnik e se mantém mais jovem que as demais partes de Plutão. Isso ocorre por um processo chamado de convecção. O gelo de nitrogênio é aquecido em partes subterrâneas do planeta e sobe para a superfície, espalhando-se e renovando a região, apagando marcas, como crateras, mantendo-a sempre “jovem”. Esse processo é lento – podemos fazer uma comparação com o crescimento das unhas, que é de alguns milímetros por mês. Em Plutão, esse processo de renovação da superfície leva milhares de anos (de 500.000 a um milhão de anos), mas pode ser determinado por simulações de computador.

Por enquanto, o coração está ativo, pulsando, mas daqui há alguns milhões de anos o coração poderá mudar de forma e vamos ter que buscar uma nova imagem para o “coração de Plutão”.