Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O Corvo e a Taça

O Corvo e a Taça são duas constelações muito pequenas e também muito antigas, elas aparecem nas lendas gregas desde 500 a.C. (antes de Cristo) e no famoso livro Almagesto do século II. No céu, elas são vizinhas uma da outra e podemos encontrá-las entre as constelações da Virgem e da Hidra, bem acima de nossas cabeças ao olhar para as estrelas, no começo das noites de outono. Porém, apenas o Corvo é fácil de achar, pois tem algumas estrelas brilhantes. Já a Taça possui estrelas bem fraquinhas, de difícil localização, ainda mais nas cidades grandes, onde a poluição luminosa atrapalha muito a observação do céu.

Um grupo de quatro estrelas mais brilhantes dá a forma do Corvo: a mais brilhante se chama Gienah (que significa asa); Kraz (o som de um corvo); Algorab (o corvo); e Minkar (bico do corvo) completam o conjunto. A Algorab é uma estrela bem interessante de se olhar com um telescópio porque conseguimos ver que, na verdade, são duas estrelas, uma perto da outra. A olho nu só conseguimos ver as duas juntas.

A mais brilhante da constelação da Taça é menos brilhante que qualquer uma das quatro do Corvo, e ela se chama Labrum (que significa a borda da taça). Ainda temos a Alkes (taça de vinho) e Al Sharasif (as costelas, em referência à Hidra) que possuem nomes próprios.

Várias lendas foram contadas com o Corvo e a Taça. Algumas diziam que a Taça pertencia ao deus Baco. Mas uma das lendas mais conhecidas envolvia as duas constelações. Diziam os contadores de histórias que o Corvo era a ave sagrada de estimação do deus Apolo, possuía brilhantes penas brancas e podia conversar com os humanos. Um dia, Apolo pediu ao Corvo que fosse buscar água em uma fonte muito, muito distante e deu à ave sua Taça. Mas, chegando ao seu destino, encontrou uma figueira. A árvore estava recheada de figos e o Corvo pousou nela e aguardou alguns dias para que os frutos amadurecessem. Quando foi pegar a água com a Taça, o Corvo avistou uma cobra d’água (a Hidra) e pensou em usá-la como desculpa pelo seu atraso. Porém, ele se esqueceu que Apolo tinha o poder de ver a mentira e ficou muito furioso com a ave. Como castigo, Apolo escureceu suas penas e tirou seu poder de conversar com os humanos, transformando os três em constelações e ordenando que a Hidra nunca deixasse a ave chegar perto da Taça e bebesse a água, condenando o Corvo a ficar com sede para sempre.