Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Nebulosa da Tarântula: estrelas em abundância

A notícia que nos chega agora é que o telescópio espacial Hubble e o MPG (do Observatório Europeu do Sul – ESO) estão observando estrelas em detalhes, na galáxia vizinha à nossa, a Grande Nuvem de Magalhães. A região é conhecida como 30 Doradus, ou nebulosa da Tarântula. Essa nebulosa é uma das mais ativas em formação de estrelas nas nossas vizinhanças (ela está a apenas 170.000 anos-luz). Seu tamanho é de mais de 650 anos-luz de extensão.

A vantagem de estar próxima a nós é que permite que nossos telescópios consigam ver as estrelas individualmente nesta região, algo muito difícil em galáxias distantes. No início da formação de uma estrela, esta fica envolvida por uma grande quantidade de poeira, impedindo que a vejamos com telescópios óticos. É necessário lançar mão de telescópios que observam no infravermelho para enxergar detalhes. Mas, com o passar do tempo, este material é expulso pela estrela recém-formada e ela começa a brilhar, se mostrando para nossos olhos.

Os telescópios estão conseguindo observar algumas características impressionantes das estrelas desta região e estão compreendendo melhor suas evoluções. Nesta investigação eles detectaram uma estrela com a mais rápida rotação já vista, outra que possui a maior velocidade já registrada e algumas das estrelas com as maiores massas conhecidas.