Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Mudança de tamanho na grande mancha vermelha de Júpiter

 

A famosa Mancha Vermelha de Júpiter ou a Grande Mancha de Júpiter está diminuindo de tamanho. Ela é uma tempestade anticiclônica, ou seja, os ventos fluem em sentido contrário àquele de um ciclone normal. Apesar da gradativa diminuição de tamanho, essa tempestade continua sendo bem maior que a Terra.

 

Desde que seu tamanho começou a ser acompanhado, esses foram aproximadamente os tamanhos estimados:

 

• Século XIX – estimado através de observações telescópicas: 41.040km

• 1979 – medidas feitas pelas Voyager 1 e Voyager 2: 23.335.5km

• 1995 – estimativa através de fotografia: 20.953.66km

• 2009 – estimativa através de fotografia: 17.912km

 

Essas medidas são feitas ao longo do eixo maior da grande mancha, que tem uma forma elíptica. Na medida em que seu tamanho diminui, a mancha torna-se também cada vez mais circular, como pode ser visto na imagem abaixo.

Nosso planeta, que possui cerca de 12 mil quilômetros de diâmetro, continua cabendo inteiro dentro da Grande Mancha. A imagem abaixo mostra uma comparação interessante, em escala aproximada, entre os dois tamanhos no final do ano 2000.

 
Comparação entre os tamanhos da Terra e da Grande Mancha Vermelha de Júpiter em 29 de dezembro de 2009. (Crédito: Wikimedia Commons)
 
Tempestades gigantes são esperadas nos planetas gasosos do Sistema Solar e já foram observadas também em Saturno e Urano. A atmosfera de Júpiter em especial, por possuir detalhes facilmente identificáveis, é um excelente laboratório para percebermos o comportamento de uma atmosfera turbulenta. A animação seguinte foi feita com 14 imagens obtidas pela sonda Cassini, mostrando 24 dias de Júpiter, aproximadamente 10 dias terrestres. Foram obtidas entre 31 de outubro e 9 de novembro de 2000.
 
Sequência de 14 imagens obtidas pela sonda Cassini, mostrando 24 dias em Júpiter, aproximadamente 10 dias da Terra. Percebe-se nitidamente o movimento das estruturas de sua atmosfera (Crédito: NASA [http://photojournal.jpl.nasa.gov/catalog/PIA02863 ])
 
Como acontece com toda tempestade, a tendência da Grande Mancha é mesmo se dissipar. Mas a taxa de encolhimento dessa tempestade de Júpiter, mais de 930km por ano, parece ter alguma razão especial. Amy Simon, do Goddard Space Flight Center, que estuda a Grande Mancha acredita na hipótese de que pequenos redemoinhos estejam mudando a dinâmica interna dessa grande tempestade.
 
 
Tempestades em Júpiter não atrapalham ninguém, mas entender as tempestades de lá pode aumentar nossa compreensão sobre nossas próprias tempestades. Esse é mais um exemplo prático de como a astronomia nos ensina sobre nós mesmos.
Leia Mais: