Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Módulos infláveis para os astronautas

Por Luis Guilherme Haun – Astrônomo da Fundação Planetário do Rio de Janeiro

 

A agência espacial norte-americana, NASA, assinou um contrato de mais de R$35.000.000,00 com uma empresa para testar um novo módulo que será utilizado pelos astronautas na Estação Espacial Internacional, a ISS.

O módulo, conhecido como BEAM (sigla para Módulo de Atividades Expansível Bigelow, numa tradução livre), será levado para a ISS em 2015 e ficará em teste até o ano de 2017. Os astronautas, durante este período não ficarão o tempo todo dentro do módulo. Eles terão períodos para fazer os testes programados e retornarão à parte principal da estação espacial.

Os testes que serão realizados são necessários para comparar a sua eficácia em relação aos tradicionais módulos de alumínio utilizados. Assim, serão verificadas, dentre outras coisas, a durabilidade e a resistência à radiação e às mudanças de temperatura.

A grande vantagem deste módulo “inflável” é a economia de combustível para levá-lo ao espaço, pois seu peso é bem menor. Esse é um dos grandes problemas do programa espacial. Além disso, ele é compacto, liberando espaço na bagagem.

Esta tecnologia permitirá missões mais seguras e confortáveis e que exigem a permanência de astronautas no espaço, ou em solo de algum astro, por longos períodos. Vamos aguardar os resultados.

Veja uma simulação de um módulo inflável sendo acoplado à ISS, feita pela NASA.