Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Microssatélites e mudanças climáticas

O Brasil tentará nos próximos dias firmar um acordo com a Índia e a África do Sul para o lançamento de dois microssatélites: um para observar a Terra e outro para estudar o clima espacial.

Dominar a tecnologia de lançamento, controle no espaço e construção de satélites é um dos mais promissores investimentos que um país pode almejar se deseja ser uma grande potência. A Índia se mostra reticente diante deste acordo, pois ela prefere investir em projetos mais audaciosos, uma vez que está à frente destes países na questão tecnológica. O Brasil e a África do Sul dependem de outros países para levar adiante os seus projetos.

O estudo do clima espacial é importante, principalmente no que diz respeito a variações ocorridas no Sol que podem afetar a Terra. Isso ocorre, por exemplo, quando o Sol, em épocas de máxima atividade, lança para o espaço muitas partículas eletricamente carregadas. Essas partículas podem danificar satélites de comunicação e provocar panes nas redes de transmissão de energia.

Já o satélite de observação da Terra faz um trabalho minucioso de controle das mudanças climáticas em nosso país. Monitora as queimadas, desmatamentos irregulares e pode prevenir catástrofes. Como nosso país tem dimensões continentais, é de suma importância termos vários satélites para monitorar nossas terras.

O homem tem contribuído muito com as mudanças do clima terrestre observadas recentemente. Todos os países devem procurar soluções para minimizar os problemas que tendem a aumentar com o tempo. Um esforço importante neste sentido, conscientizando a população para fazer a sua parte, já está sendo feito pela mídia e pela comunidade científica. Nestes dias – 18 a 23/10/2011 – acontece a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, com o tema “Mudanças climáticas, desastres naturais e prevenção de risco”.

Esperamos que todos façam a sua parte e que o Brasil consiga “decolar” os projetos dos microssatélites!