Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Metano em Marte

 

Ao chegar ao Planetário hoje pela manhã, vi um comunicado da Agência espacial norte-americana (NASA) sobre a quantidade de metano encontrada na atmosfera do planeta Marte. Para as pessoas que chegam ao Rio de janeiro é fácil identificar este gás ao atravessar a Linha Vermelha, uma linha expressa da cidade, na área próxima à ilha do Fundão, onde sentirá o odor nauseabundo emanado daquela região da Baía da Guanabara.

 

Alguns tipos de micro-organismos produzem metano em seu metabolismo. Sendo assim, este gás pode ser utilizado como marcador da presença de vida em atmosferas planetárias, embora possa ser produzido independentemente.

 

A quantidade de metano encontrada pelo laboratório Curiosity no planeta Marte, utilizando o espectrômetro a laser, foi seis vezes inferior às medições anteriores feitas por satélites e observações terrestres.

 

Segundo o principal autor da pesquisa, Chris Webster, do laboratório de Propulsão a Jato da NASA, as medições de metano na atmosfera de Marte foram realizadas a partir da primavera marciana até o final do verão, sem resultados relevantes. Segundo o pesquisador, a descoberta teria sido emocionante, mas existe muita confiança nos valores obtidos e o mais importante é a expansão do conhecimento científico obtido.

 

Segundo Michael Meyer, cientista-chefe para a exploração de Marte, este resultado irá ajudar a direcionar os esforços pela busca de vida no planeta Marte, pois reduz a probabilidade de possíveis micro-organismos produtores de metano. Como existem diferentes tipos de metabolismos microbianos conhecidos, que não produzem metano, os pesquisadores buscarão outros marcadores de vida.

 

Para as pessoas que posteriormente irão questionar os gastos com uma pesquisa com resultado negativo, devo lembrá-los o que disse Thomas Edison, inventor do gramofone, da lâmpada incandescente, entre outros aparelhos: “Se eu encontrar 10.000 maneiras que algo não vai funcionar, eu não falhei. Eu não estou desanimado, porque cada tentativa errada descartada é outro passo à frente.”