Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Medindo o Tamanho do Sol

 

 

Temos razões óbvias para nos interessar muito em conhecer o Sol. Afinal, nossa vida depende dele, e queremos saber se ele está funcionando direitinho. Mas o interesse da Astronomia pelo Sol não se justifica apenas por sua importância para a vida na Terra. O Sol é a única estrela que não aparece como um ponto o céu. Podemos observar com clareza seu disco e obter detalhes de sua superfície com enorme nitidez, o que faz do Sol o melhor protótipo para compreendermos todas as outras estrelas.

 

E o Sol, como toda estrela, é dinâmico. Muito dinâmico. As reações de fusão nuclear que ocorrem em seu centro, o transporte de energia por radiação e por convecção levando luz e calor até a superfície, o emaranhamento das linhas de campo magnético, elevando partículas a milhares de quilômetros da superfície solar e atirando muitas com altas velocidades no espaço, tudo isso contrabalançado pela força gravitacional, pode produzir variação no tamanho de nossa estrela mais importante. E, se acontece com o Sol, deve acontecer com outras estrelas também.

 

Evidentemente essas variações de tamanho não são bruscas e as técnicas de medidas precisam ser cada vez mais precisas para obtermos bons resultados. Ganhou destaque recentemente o trabalho do Físico Marcelo Emilio, pesquisador da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Ele faz parte de um grupo de pesquisa dedicado ao estudo do Sol, que, através de imagens de trânsito de Mercúrio registrados em 2003 e em 2006, anunciaram uma medida bastante precisa do raio solar.

 

Um trânsito ocorre quando um astro visualmente menor passar na frente de outro visualmente maior. A medida do tamanho do Sol pela observação do trânsito de Mercúrio ou Vênus (quando Mercúrio ou Vênus passa na frente do Sol), é feita pela medida do tempo de duração do trânsito, ou seja, o tempo que o planeta leva desde sua entrada na frente do Sol, até a saída.

 

Medidas ainda mais precisas poderão ser obtidas com a análise do trânsito de Vênus ocorrido em Junho desse ano.

 

Se você quiser saber mais sobre a história e métodos de medida do tamanho do Sol, recomendo a leitura da tese de doutorado do Astrônomo Sérgio Calderari Boscardin, “Um Ciclo de Medidas do Semidiâmetro Solar com Astrolábio”, desenvolvida no Observatório Nacional.

 

Links de interesse:

 

http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-12–156-20120624

 

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2012/03/estudo-de-brasileiro-recalcula-o-tamanho-do-sol-com-mais-precisao.html

 

http://www.daf.on.br/andrei/TESE_SergioBoscardin/SergioBoscardin_TeseDoutotradoON2011.pdf