Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

O Marciano

Estreou ontem nos cinemas brasileiros o filme “Perdido em Marte” (“The Martian”, 2015, de Ridley Scott). Estrelado por Matt Damon e ambientado, obviamente, no Planeta Vermelho, o filme é muito bom. Simples assim!

Mas ele é cientificamente correto? Incrivelmente, sim! Digo “incrivelmente” porque a última fanfarra que tivemos no cinema que se vendia como um filme altamente científico (sim, estou falando de “Interestelar”, do Christopher Nolan) era bem pretensioso e, ao final (sem spoilers por aqui… vá ver o filme!), jogava fora a boa ciência para abraçar uma reviravolta improvável e inverossímil.

A ciência em “Perdido em Marte” é sólida e as pequenas concessões feitas foram publicamente admitidas pelo diretor e “abençoadas” pela NASA que, em última análise, declarou: “se isso é tão importante para a trama, vá em frente. Afinal é só um filme”. O fato em questão (que é realmente o catalisador do filme inteiro, então é MUITO importante para a trama) é a violência da tempestade marciana, que deixa nosso herói sozinho em Marte.

Outro pequeno buraco científico, que não afeta em nada a história, mas definitivamente afetaria o orçamento da produção, é a questão da gravidade local. Vemos os atores caminhando em Marte como se tivessem o mesmo peso que teriam na Terra, e isso não é correto. Mas, como já disse, isso não afeta a trama e de modo algum atrapalha o filme.

O que eu menos gostei foi a tradução do título para o português! “O Marciano”, que seria a tradução literal e correta, diz muito mais sobre a trama e o estado de espírito do personagem vivido por Matt Damon do que “Perdido em Marte”. Em momento ele se sente “perdido”! Apesar dos percalços e revezes, ele sempre busca soluções lógicas e científicas para seus problemas, e sempre as encontra, de forma por vezes inusitada.

Que soluções são essas? Não digo para não estragar as surpresas do filme. O que digo é o que já disse: o filme é muito bom! Recomendo!