Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Lindo lançamento, terrível final

No dia 6 de junho de 1971, 45 anos atrás, aconteceu o lançamento da nave Soyuz 11, no Cosmódromo de Baikonur. Os tripulantes tinham uma missão muito especial, acoplar e realizar experimentos na estação espacial soviética Salyut 1. Após uma decolagem bem sucedida e um acoplamento perfeito no dia seguinte, os cosmonautas Georgi Dobrovolski, Vladislav Volkov e Viktor Pastayev permaneceram durante 22 dias em intensos trabalhos científicos.

O drama dos cosmonautas começou com a reentrada na atmosfera, em 30 de junho. Ao pousar, a equipe de resgate percebeu que os ocupantes estavam imóveis. Uma tentativa de reanimá-los foi em vão.

A hipótese mais provável para explicar o ocorrido foi uma falha em duas minúsculas válvulas que serviriam para homogeneizar a pressão da cabine durante o pouso. Estima-se que a localizaçãoo da válvula não permitiu a percepção da ausência de ar, levando os cosmonautas à óbito.

Os tripulantes tiveram um funeral com honras de estado e uma extensa reformulação nas cabines das naves espaciais foram realizadas para evitar um novo acidente.07