Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Limites alcançados

 

Os Hobbits, seres pequenos, com pés gigantes e peludos, são frutos da imaginação do grande escritor J. R. Tolkien. Além de adorarem comer, beber e farrear, tinham uma característica própria: não saíam do Condado. Gostavam de ficar em casa e não se preocupavam com o mundo ao seu redor.

 

Diferentemente dos hobbits, o homem sempre buscou saber o que existe fora de seus domínios. Alguns acreditam até que a verdade está lá fora – não resisti, risos. Inicialmente, a imaginação foi utilizada para modelar o mundo em que vivemos. Mitologias e religiões foram criadas para tentar explicar a nossa origem e existência. Só mais recentemente a ciência passou a fornecer dados para tentar elucidar algumas perguntas existenciais.

 

Neste último mês, mais precisamente no dia 12 de setembro de 2013, após análises dos dados de densidade do plasma ao redor da Voyager I, mais um passo em direção ao espaço interestelar foi dado. Este viajante encontra-se atualmente na Heliopausa. A característica principal desta região é que a pressão do vento solar não é intensa o suficiente para repelir o vento interestelar.

 

Um fato importante foi a maneira como a região onde se encontra a espaçonave foi determinada. Como o sensor de densidade de plasma da Voyager I não está funcionando, um caminho alternativo foi utilizado. Em abril de 2013, chegou à espaçonave o material ejetado pelo Sol 13 meses antes, fazendo o plasma vibrar como uma corda de violino. Através da frequência de vibração obtida por um detector de ondas de plasma foi possível determinar que a espaçonave recebeu um jato de material 40 vezes mais denso que o meio em que se encontra, permitindo determinar a densidade local e chegar à conclusão de que está na Heliopausa.

 

A Voyager I, lançada em 1977, e sua irmã gêmea Voyager II, lançada 16 dias depois, foram enviadas originalmente para estudar os planetas gigantes Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. Em 1990, após completarem a missão original, foram enviadas em uma nova empreitada: descobrir a transição entre a Heliosfera e a Heliopausa. Esta nova etapa está cumprida.

 

Vejam no vídeo, em inglês (não se esqueça que é possível colocar legenda), a animação com as várias etapas da missão da Voyager I e escute as ondas sonoras obtidas pelo detector de ondas de plasma.

 

Nosso mensageiro espacial ainda tem milhares de anos para chegar próximo de outra estrela, tendo que passar primeiramente pela Nuvem de Oort, a região povoada pelos núcleos de cometas que eventualmente se desgarram e se precipitam em direção ao centro do nosso sistema planetário.

 

A genialidade de Tolkien criou todo um mundo, uma mitologia, línguas e personagens como hobbits, elfos, trolls, criaturas maléficas e objetos mágicos no início do século passado. Hoje temos conhecimentos de coisas e lugares que nos permitem elaborar teorias diversas e nos levar, se não pessoalmente, pelo menos através de mensageiros como as Voyagers, inimagináveis há poucos anos.

 

Gostou do post? Então compartilhe com seus amigos! Para ficar por dentro das novidades da astronomia e da nossa programação, curta a fan page do Planetário no Facebook e o nosso perfil no Twitter.