Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Levantar Escudos

 

Os fãs de Jornada nas Estrelas sabem que quando o Cap. Kirk manda levantar escudos significa que a coisa vai ficar preta. Na série dos anos 60,  os campos de força (também chamados de escudos defletores) defendiam a nave de qualquer coisa: torpedos inimigos, meteoroides  ou radiação espacial.

 

Os escudos de energia já estavam presentes no imaginário da ficção científica nas primeiras  obras do gênero. Foi em 1936 que surgiu provavelmente a primeiro menção destes artefatos através do escritor John W. Campbell (1910-1971). Em 1953, a primeira versão cinematográfica da obra Guerra dos Mundos de H.G. Wells (1866-1946) mostra representações de campos energéticos defendendo os trípodes dos invasores marcianos.

 

 

Hoje em dia já se planejam escudos energéticos de verdade para vencer um grande desafio astronáutico: proteger naves espaciais das partículas radioativas emitidas pelo Sol. Uma viagem a Marte exporia os astronautas a um dose de radiação várias vezes maior do que a que estão expostos os tripulantes da ISS, que ainda conta com proteção do campo magnético da Terra. 

Blindar a nave com espessas camadas de metal a tornaria pesada demais e implicaria em menos espaço para pessoas e equipamento. Para proteger os futuros viajantes do Sistema Solar, precisaríamos criar um campo magnético portátil que acompanhasse a nave. Possantes eletroímãs deveriam gerar este campo continuamente ao longo de toda a viagem visto que o campo magnético de Marte é muito fraco. 

Uma viagem a Júpiter também precisaria de escudos contra a radiação, uma vez que este planeta gigante também aprisiona partículas solares em doses letais em sua magnetosfera.

Cientistas ingleses já testam protótipos reais destes escudos magnéticos em laboratórios.