Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Laser para desvendar a atmosfera

O estudo das mudanças climáticas e os seus efeitos faz parte da agenda de pesquisa da Agência Espacial Europeia. Sendo alvo de constante interesse, o chamado efeito estufa, promete ser investigado em maior profundidade com uma nova técnica ainda em desenvolvimento. A ideia é investigar os gases de nossa atmosfera cruzando-a com um feixe de raios laser emitido de um satélite para outro.

Por enquanto isso ainda está no campo das teorias. Por outro lado, um importante passo nesse sentido foi dado, com a realização de um experimento envolvendo duas ilhas do Arquipélago das Canárias. Neste local, está localizado um importante centro de pesquisa astronômica, o Observatório del Teide, mantido pelo famoso Instituto de Astrofísica das Canárias. Um preciso equipamento foi instado nas duas ilhas do Oceano Atlântico separadas por 144km. 

Durante duas semanas, sob a coordenação de pesquisadores da Universidade Austríaca de Graz, e das Universidades de York e Manchester, no Reino Unido, um feixe de laser infravermelho foi emitido de uma ilha para a outra, permitindo pela primeira vez a medida da quantidade do dióxido de carbono e de metano ao longo da separação das ilhas.

O próximo passo será estender a técnica para satélites. Ou seja, o feixe seria emitido de um satélite para outro. Com isso, poderemos fazer as medidas em grandes distâncias ao longo da nossa atmosfera, e dados mais precisos serão obtidos. Espera-se com isso, uma importante contribuição para a questão da mudança climática.