Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Laika: das ruas de Moscou para o Espaço

 

Por Naelton Mendes de Araujo – Astrônomo da Fundação Planetário

Num ambiente de extrema competição e propaganda política o primeiro animal foi posto em órbita em 3 de novembro de 1957. Dez anos antes, americanos e russos já enviavam e traziam de volta animais em voos suborbitais. Enquanto os americanos enviavam macacos, os soviéticos enviavam cães.

Com o advento do Sputink I, o primeiro satélite artificial da Terra, o desafio era levar um animal a dar pelo menos uma volta no planeta. Ainda não havia tecnologia para trazer de volta em segurança um passageiro que estivesse em órbita. O atrito da reentrada poderia derreter qualquer nave espacial não preparada para isso. Apesar disso a missão Sputink II teria que marcar mais um recorde a favor da URSS para satisfazer Nikita Krushchev, o líder soviético.

Sem tempo para desenvolver uma cápsula segura e recuperável, os técnicos do programa espacial soviético enviaram a cadela vira-lata batizada de Laika numa missão suicida. Apesar de ter alimento e oxigênio para vários dias a cápsula teve uma falha no sistema de controle de temperatura. O stress do lançamento mais o aquecimento exagerado fizeram que a cadela morresse menos de sete horas após o lançamento.

Mais tarde, em 1960, os cães Belka e Strelka se tornaram os primeiros animais a entrar em órbita e voltar em segurança. No ano seguinte, Yuri Gagarin tornaria-se o primeiro astronauta humano.

O uso de animais “astronautas” certamente abriu caminho para os primeiros voos tripulados anos depois. Porém, no caso de Laika, os interesses políticos foram mais considerados do que a ciência. A primeira mártir do espaço não precisaria ser sacrificada daquela forma.

Em 2008 um monumento de bronze de dois metros de altura em homenagem a Laika foi inaugurado em Moscou.