João Gilberto

Não há forma melhor de homenagear um músico que com sua música. Não há forma melhor do Planetário do Rio homenagear alguém que com Astronomia e ciências afins.

Na música “Astronauta”, João Gilberto cantou:

Ela agora
Mora só no pensamento
Ou então no firmamento
Em tudo que no céu viaja
Pode ser um astronauta

Pode estar num asteroide
Pode ser a estrela D’alva
Que daqui se olha
Pode estar morando em Marte

Não, João certamente não está morando em Marte. João segue no pensamento e no coração de todos os cariocas, assim como no céu dessa cidade, sob o qual ele foi fundamental na criação do estilo musical mais brasileiro de todos.

Na música “Eclipse”, João canta, em espanhol

Eclipse de luna en el cielo
Ausencia de luz en el mar
Muy solo con mi desconsuelo
Mirando la noche me puse a llorar

Eclipse de amor en tus labios
Que ya no me quieren besar
Quisiera olvidar sus agravios
Y luego soñar

É, João, você deixou os cariocas sozinhos. Muitos olharemos o céu dessa sua cidade, ouvindo sua música e querendo esquecer que você se foi.


Repouse em Paz João Gilberto. Obrigado por fazer de um dos maiores patrimônios brasileiros, a MPB, algo tão único.

O cantor João Gilberto abre os braços durante o show de inauguração da casa de espetáculos Tom Brasil em São Paulo (SP)
(Foto: João Wainer/Folhapress, Fonte: Amazonas1)

Published by Leandro L S Guedes

Astrônomo da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro - Pesquisa e Divulgação de Astronomia, atuando principalmente nos seguintes temas: Astronomia, Astronomia Extragaláctica, Cosmologia, História da Ciência, Filosofia da Ciência, Epistemologia e Educação.