Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Helios

No ano de 1868, o segundo gás mais abundante no Universo foi finalmente encontrado (o primeiro é o hidrogênio). E ele foi descoberto primeiro no Sol e não na Terra, como seria mais provável supor. Esse foi o motivo do seu nome: hélio. Em grego, Helios significa Sol, e nada mais justo do que homenagear o nosso astro rei.

Na atmosfera da Terra, o hélio é raro (cerca de 0,0005%), e por isso ele não foi encontrado rapidamente. Somente mais de 10 anos depois de sua descoberta no Sol, confirmou-se a sua presença em minerais terrestres.

No dia 16 de agosto de 1920, um dos descobridores, Joseph N. Lockyer, que sugeriu o  nome de hélio, faleceu. Ele fundou, e foi o primeiro editor, do jornal britânico de ciências de grande prestígio internacional: Nature.