Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Galáxias Primordiais

Nos domínios da Astronomia, há uma corrida saudável entre teóricos e observacionais. “Observacional” é o jargão que usamos para nos referirmos aos cientistas que têm nas observações o cerne de suas pesquisas; os teóricos, por outro lado, se concentram mais em equações, fórmulas e hipóteses. É o casamento das duas abordagens que faz a ciência avançar. Mas, como eu já disse, há uma corrida entre ambos os métodos.

Essa corrida acontece na Física, também. E, às vezes os teóricos chegam na frente, postulando algo que nunca foi visto. Aconteceu na década de 1930, por exemplo, quando Paul Dirac, resolvendo equações da Mecânica Quântica, afirmou que haveria algo que, por falta de nome melhor, foi batizado de antimatéria. Apenas dois anos depois, Carl Anderson descobriu partículas de antimatéria em laboratório.

De volta à Astronomia, às vezes são os observacionais que vencem a prova. Em 1999, observações constataram que o Universo está se expandido de forma acelerada. Até hoje não há uma teoria completamente satisfatória que explique este fato!

E nesta corrida, os observacionais têm uma arma poderosa: o avanço rápido da tecnologia. Novas técnicas de observação, novos métodos de depuração de resultados, novos materiais, tudo isso contribui para o avanço de novas descobertas.

Como agora, por exemplo. Um supertelescópio situado nas Ilhas Canárias nos traz novidades sobre as galáxias primordiais. Aparentemente, elas não são tão densas quanto se pensava. E isso impacta diretamente em como imaginamos que elas tenham evoluído.

Parece que os observacionais ganharam mais uma!