Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

E o frenesi do Fim do Mundo continua (parte 2)

Como vimos no texto anterior sobre a Pedra do Sol Mexica, em torno da figura central, vemos quatro retângulos que representam a destruição do mundo em cada uma das quatro eras de criação (cada época durando 13 baktuns) por que passaram os povos antigos.

A época mais remota (acima à direita) se chama “Sol do Jaguar”, pois esta era terminou no dia 4 Ix (Jaguar) do Tzolkin (calendário religioso de 260 dias). Os gigantes que habitavam a Terra, resultado da primeira tentativa de criação feita pelos deuses, foram atacados e devorados por jaguares. Acima à esquerda, o “Sol do Vento” dizimou outra raça humana imperfeita com seus furacões, pondo fim à segunda era. Abaixo à esquerda, temos o “Sol da Chuva de Fogo”, simbolizando a lava e o fogo de uma erupção vulcânica que destruiu a terceira época cosmogônica. Alguns homens foram transformados em pássaros e escaparam da catástrofe. As chuvas torrenciais e inundações representadas pelo “Sol da Água” deram fim à quarta época (abaixo à esquerda). A transformação dos homens em peixes os salvou da destruição.

A época atual seria a quinta era de criação, representada pela figura no centro do disco identificada como Tonatiuh, o Sol atual, e simbolizada pela sua data de criação 4 Naui-Ollin (Movimento). Em todas as eras, o universo é destruído e recriado renovado.

Aqui vemos uma semelhança entre os símbolos e idéias do Antigo e Novo Mundo. Cada um dos agentes destrutivos é concebido por uma força representada por um elemento. O Jaguar é um monstro terreno, enquanto o vento, água e fogo são outras entidades na história. Terra, Ar, Fogo e Água são os quatro elementos básicos concebidos pelos filósofos gregos, mas no caso Mexica não representam construções estáticas e permanentes, mas sim forças violentas da natureza que podiam se manifestar a qualquer momento, assim como fazem hoje em dia na região central do México.