Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Desvendando fenômenos lunares

 

A ideia mais comum é que a Lua é apenas uma bola de rocha inerte e sem graça. No entanto, desde muito tempo, a observação da Lua tem trazido alguns desafios aos astrônomos. Em 1787, o astrônomo inglês William Hershel (1738-1822) documentou três manchas vermelhas e brilhantes em meio à parte escura do disco lunar. Hoje, sabemos que existe uma finíssima camada de gases recobrindo a superfície lunar. Esta camada é tão rarefeita que nem é considerada atmosfera. Estes gases podem ser provenientes do vento solar ou ter origem radioativa. Mas esses gases não são suficientes para explicar aqueles clarões.

 

Apesar de não dispor do dinamismo de um astro dotado de uma atmosfera, a Lua está longe de ser uma superfície totalmente imutável e monótona. Desde a observação de Hershel, um longo histórico de brilhos e mudanças de cor foi se formando ao longo dos anos de observação lunar. Os relatos mais interessantes e recentes datam das missões Apollo. Os astronautas americanos também perceberam luminescências na Lua. Alguns destes fenômenos podem ser explicados por impacto de meteoritos, outros sugerem algum tipo de emanação gasosa ou poeira refletindo a luz solar. Estes eventos foram chamados de fenômenos transientes lunares e identificados pela sigla TLP (do inglês transiente lunar phenomenon).

 

Dentro do seu programa de exploração robótica lunar, a NASA lançou semana passada a sonda LADEE (Lunar Atmosphere and Dust Environment Explorer) a bordo de um foguete Minotaur V. A missão tem o objetivo de estudar a rarefeita camada de gases que recobre a Lua e verificar a possibilidade da presença de poeira em suspensão eletrostática. A gravidade lunar é tão pequena que a poeira carregada eletricamente (pelo vento solar, por exemplo) pode flutuar acima do solo e refletir a luz do Sol. Isto explicaria muitos relatos de TLP.

 

Após 30 dias de viagem, a sonda deve atingir sua órbita bem próximo à superfície lunar, onde deve passar uns 100 dias mapeando partículas de poeira e traços de gases rarefeitos. Talvez séculos de mistério lunar possam ser desvendados nos próximos meses.

 

Links pra saber mais:

http://nssdc.gsfc.nasa.gov/nmc/spacecraftDisplay.do?id=LADEE

http://pt.wikipedia.org/wiki/LADEE