Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Descoberta de planetas por inferência

Leio na internet que um novo planeta extrassolar foi descoberto pelo satélite Kepler. A própria notícia começa dizendo que não há nada demais nisso, pois o satélite Kepler foi colocado em órbita justamente para descobrir novos exoplanetas.

Então o que é noticia nesta história? Segundo o G1, a grande notícia é que este planeta não foi visto, e sim inferido. Sua existência foi calculada a partir de perturbações observadas na órbita de um outro planeta.

A sonda Kepler já havia descoberto, ao redor de uma estrela situada a cerca de 650 anos-luz daqui, na constelação de Lira, um planeta. A estrela foi batizada de Kepler-19 e o planeta, Kepler-19b. Agora esta nova descoberta nos traz o Kepler-19c, segundo planeta em órbita desta mesma estrela.

E, novamente, segundo o G1, a grande novidade é que o Kepler-19c não foi visto. Sua existência foi calculada matematicamente a partir de inconsistências encontradas na órbita do Kepler-19b.

Esse tipo de inferência é antigo na astronomia e foi graças a ele que o planeta Netuno foi descoberto em 1846. Sua massa causava uma perturbação na órbita de Urano, descoberto em 1781. Astrônomos inferiram a existência de um oitavo planeta no nosso Sistema Solar, e calcularam sua possível localização, baseados nesta perturbação.

Fizeram isso novamente agora, inferindo a existência do Kepler-19c, baseados em perturbações medidas na órbita do Kepler-19b. De fato, como diz a manchete, o planeta foi descoberto sem ter sido observado! (Mas isso já havia sido feito com Netuno, em 1846…)

A pergunta que faço é: o planeta Kepler-19b foi observado? A resposta é não! Sua descoberta também é uma inferência, baseada não em dados gravitacionais, mas de luminosidade. A esmagadora maioria dos planetas extrassolares não foi observada. A existência destes objetos é geralmente inferida a partir de dados indiretos.

No caso do Kepler-19b, percebeu-se que a luminosidade da estrela caía um pouco de tempos em tempos (nada que possa ser percebido sem instrumentos de alta precisão). Esta diminuição do brilho é explicada como o trânsito de um objeto sem brilho próprio. Ou seja, algo que não tem luz própria, de forma periódica, passa em frente à estrela e ofusca minimamente seu brilho. O que poderia ser? Um planeta em órbita!

Apesar de estar feliz com mais esta vitória do satélite Kepler, não creio que a noticia seja “a descoberta de um planeta que não foi visto”. Do ponto de vista da Astronomia, este tipo de descoberta já não é mais novidade!