Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

De novo?!

 

Quando vejo este tipo de notícia, “Einstein certo de novo…” sempre me vem um certo estranhamento. Como assim, de novo? Quando falou sobre a curvatura da luz, sobre a natureza da gravidade e a relação entre tempo, espaço, matéria e energia (e fez isso no começo do século passado), Einstein acertou. E acertou lá atrás. Não há novidades sobre isso. Há cem anos sabemos isso. Teste após teste…

 

A experiência chinesa é bacana e não é desprovida de méritos. A notícia é essa: a experiência. Se ela tivesse provado que Einstein tinha errado, aí seria uma GRANDE notícia. Já imaginou: “Einstein estava errado!” Isso seria notícia. É como se ensina nas faculdades de jornalismo. “Cachorro morde menino” não é notícia. É cotidiano. “Menino morde cachorro”… isso sim é notícia!

 

Mas a experiência chinesa comprovou o que Einstein disse há quase cem anos, e o que já sabíamos teste após teste após teste. “Cachorro morde menino”. Cotidiano…

 

E, afinal, o que fez a experiência? Criaram em laboratório um efeito que já é bem conhecido (e comprovado desde 1919, graças à observação de um eclipse em Sobral, no Ceará): a lente gravitacional. A luz faz uma curva na presença de um campo gravitacional intenso. Isso Einstein previu em 1915 e foi observado em 1919. Agora foi feito em um laboratório chinês. (E, certamente, não foi a primeira vez que isso foi feito em laboratório. Talvez tenha sido a primeira vez com este método, com um chip.)

 

Einstein acerta de novo. Muito bom. E vai continuar acertando enquanto os cientistas continuarem construindo experimentos para comprovar a curvatura dos raios de luz.