Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Curiosity em Marte

Pousou em Marte o Curiosity, o mais novo robô enviado pelos Estados Unidos ao planeta vermelho. Diferente dos últimos simpáticos robozinhos Spirity e Opportunity, pequenos, de baixo custo e que pousaram quicando na superfície marciana, o Curiosity tem o tamanho de um automóvel, custou aproximadamente 2,6 bilhões de dólares (cerca de cinco bilhões de Reais) e teve um complexo sistema de pouso.

Curiosity chegou até Marte como parte integrante da missão Mars Science Laboratory (Laboratório Científico de Marte). Acomodado em um compartimento protegido por um escudo térmico, que furou a atmosfera de Marte, o Curiosity foi mantido no ar por um guindaste voador, que suavemente o colocou sobre a superfície enferrujada da Cratera Gale. Depois de deixar o veículo em solo, com a liberação dos cabos que o prendiam ao Curiositiy, o guindaste foi arremessado por seus próprios retrofoguetes para, pelo menos, 150 metros de distância.

Devido ao tamanho e peso dos equipamentos, o pouso teve que ser uma operação mais complexa que nas últimas missões. Quando o Curiosity tocou o solo, os relógios de Brasília marcavam duas horas, 14 minutos e 39 segundos da madrugada de 6 de agosto de 2012 (5h14m39s UTC, 6-ago-2012).

Esquema de descida do Curiosity em Marte

O que mais se espera da missão é que ela possa fornecer dados que permitam concluir se, de fato, Marte já pode abrigar vida na passado. A Cratera Gale certamente já foi um lago, portanto, um excelente lugar para a vida ter se desenvolvido, caso isso tenha sido possível no passado. Se o Curiosity matar nossa curiosidade com um retumbante “SIM!!!!”, ou melhor, um retumbante “YES!!!!”, um outro passo será verificar se ainda existe vida por lá nos dias de hoje.

Estamos falando de vida microscópica, ok? Nada de ET’s verdinhos com antenas, chupacabras ou civilizações que constroem pirâmides e esculpem macaquinhos nas pedras.

Me parece supreendente que em meio a uma crise financeira global a agência espacial norte-americana, NASA (do inglês National Aeronautic and Space Administration) tenha conseguido executar uma missão para Marte tão mais caras que as anteriores. Muita exploração já foi feita com menos dinheiro envolvido.

Como o Curiosity tem em sua lista de objetivos a verificação das condições do planeta para receber a visita de humanos, pode ser que esteja voltando de verdade à mente dos norte-americanos o envio de missão tripulada ao Planeta Vermelho. Todos ficamos animados com o anúncio do projeto de enviar astronautas a Marte, mas a crise financeira desse início de século XXI atrapalhou tudo. Se os norte-americanos estão realmente voltando a pensar em mandar homens a Marte, o que justificaria gastar mais dinheiro nesse momento para explorar o planeta, pode ser que o desenvolvimento aeroespacial da China, comandado pela agencia espacial chinesa, CNSA (do inglês, Chinese National Space Administration http://www.cnsa.gov.cn), esteja servindo como estímulo provocado pela concorrência.

Foi com esse espírito de concorrência, durante a Guerra Fria, que o homem chegou à Lua.