Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Cubesats, minissatélites ao seu alcance

Imagine você ser capaz de montar um satélite que realmente vai ao espaço e que realmente vai desempenhar uma função em órbita? Isto já é possível. O barateamento dos lançadores privados e a miniaturização dos instrumentos embarcados põem o espaço ao alcance de pessoas físicas e pequenas instituições. Com um preço equivalente ao de um automóvel novo, existe a possibilidade de montar, com relativa facilidade, minissatélites funcionais.

cubesat01

Em 1999, dois pesquisadores americanos, Jordi Puig-Suari (California Polytechnic State University) e Bob Twiggs (Stanford University) desenvolveram as especificações que se tornaram padrão para minissatélites: os Cubesats. Seriam cubos de 10 cm de aresta e aproximadamente 1 kg de peso. O objetivo inicial era disponibilizar acesso para universidades ao espaço. Nestes pequenos satélites os painéis solares e antenas vão dobrados ao redor destas unidades cúbicas.

Os primeiros cubesats foram lançados em 2003 a bordo de um antigo míssil russo adaptado para foguete lançador de satélites ao custo de US$40.000. Foram seis satélites lançados ao mesmo tempo. Em 2004, um cubesat custava algo em torno de US$65000 (construção e lançamento). Pode parecer muito, mas saiba que parar lançar um satélite convencional não sai por menos de US$100.000.

cubesat02

Por serem leves e pequenos, os cubesats podem ser lançados como carga secundária por qualquer foguete que envie um satélite convencional ao espaço. O barateamento dos foguetes é um processo natural do desenvolvimento tecnológico. Com os primeiros testes de foguetes reutilizáveis vai ser ainda mais barato colocar satélites em órbitas. A partir do último estágio de um lançador, os cubesats são disparados por molas a partir de uma caixa denominada Poly-Picosatellite Orbital Deployer – P-POD. Os dados de telemetria são captados por antenas e receptores semelhantes aos utilizados em radioamadorismo.

cubesat03

A unidade padrão de cubesat é denominada 1U. Mas são possíveis combinações destes padrões como 2U, 3U e até mais. Estas combinações permitem satélites maiores com mais recursos. Existem planos de enviar cubesats à Lua e até a Marte.

Em 2014, vários cubesats foram postos a partir da ISS. Mais de duzentos destes dispositivos foram lançados desde 2003 até hoje. Os cubesats comerciais têm aumentado muitíssimo nos últimos quatro anos por vários países.

cubesat04

O primeiro cubesat brasileiro foi o NanossatC-BR1 (desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espacial – INPE e pela Universidade Federal de Santa Maria – UFSM) e foi lançado por um foguete russo Dnepr em 2014. Em janeiro de 2015, o AESP-14 (desenvolvido pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica – ITA e pelo INPE) foi em órbita a partir da ISS. Infelizmente, não conseguiu estender sua antena de comunicação.

A Universidade Federal de Santa Catarina participa do projeto Serpens, lançado com sucesso em 2015. Hoje temos alguns grupos brasileiros desenvolvendo seus cubesats. O Instituto Mauá de Tecnologia, por exemplo, é um destes grupos. O ITA desenvolveu seu cubesat denominado ITASAT, que ainda aguarda lançamento. O Brasil tem planos de enviar uma sonda à Lua usando o padrão cubesat. Trata-se do Garatéa-L desenvolvido pela USP e projetado para ser lançado por um foguete indiano, previsto para 2020. 

cubesat05

Quer saber mais sobre sondas espaciais? Visite este link.