Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Como destruir a Terra?

 

A Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro é, como todos sabem, um órgão de divulgação de Astronomia e recebe milhares de visitantes todos os anos. Temos diversas atividades e, uma das mais gratificantes é o contato direto com as pessoas e a possibilidade de conversar sobre assuntos astronômicos.

 

Na última semana fui chamado pelas recepcionistas para atender e tentar dirimir algumas dúvidas de um visitante. Como qualquer um dos astrônomos da instituição poderia fazer, prontamente atendi ao chamado. E, antes mesmo que fosse devidamente apresentado, o visitante perguntou: “Como destruir a Terra?” Parei. Respirei e milhares de figuras vieram a minha cabeça. Nesta época de vandalismos, terrorismos e todos os outros “ismos”, esta pergunta nos leva a pensar. Minha reação foi manter dois braços de distância dele e dizer: “Acho que não entendi a sua pergunta, vamos tentar novamente?”

 

O visitante sorriu e começou a explicar que tinha visto um documentário sobre dinossauros e choque de asteroides e gostaria de saber mais detalhes. Fiquei mais confiante e me aproximei um pouco. Falei sobre a hipótese da aniquilação dos dinossauros, o iridium da camada geológica KT e a cratera de Chicxulub no México (podemos falar sobre isto em outra postagem).

 

O próximo assunto foi colisão de planetas e por último ele me pediu – Explique-me sobre estes “aspiradores de pó” gigantescos e como podem destruir a Terra. Com o espírito mais calmo pedi que explicasse sobre o que estava falando. O senhor, mais que depressa disse: “Buracos Negros”, com um ar de sapiência, como quem diz: “Você não sabe que os buracos negros são aspiradores de pó gigante?”.

Passei uma boa parte da minha tarde desconstruindo este conceito. Falamos sobre tipos de buracos negros – Schwarzschild, Kerr, Nordstrom –, massa, singularidade, horizonte de eventos, espaguetificação, localização nos núcleos de galáxias e a possibilidade infinitamente pequena, praticamente zero, de um buraco negro absorver o nosso planeta pois não se observa nenhum objeto deste tipo próximo a nós.

 

Após esta conversa ele me prometeu nunca mais chamar um buraco negro de aspirador de pó e agradeceu pelos novos conhecimentos adquiridos.

Devo confessar que esta é a parte mais gratificante da nossa profissão, ver um visitante interessado em aprender, apresentar suas dúvidas e seus conceitos prévios e aceitar novos modelos, saindo satisfeito e agradecendo. Alguns podem dizer que perdi uma tarde com este senhor. Na verdade, tive um prazer enorme em poder ensinar.