Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Buracos de minhoca em um engarrafamento

Aqui na Gávea, onde fica a sede principal da Fundação Planetário, temos uma das maravilhas da moderna engenharia de tráfego: um daqueles painéis que nos avisam o tempo médio que levaremos para chegar a algum lugar…

O painel aqui da Gávea, logo na saída do túnel acústico (parte da Autoestrada Lagoa-Barra) nos dá três opções: “Rebouças via Borges”, “Centro via Rebouças” e “Centro via Orla”.

Para os leitores não familiarizados com a geografia carioca (ou, pelo menos, da Zona Sul), “Rebouças” é o túnel Rebouças, que liga o Rio Comprido à Lagoa Rodrigo de Freitas; “Borges” é a Borges de Medeiros, uma das avenidas que margeia a lagoa (a outra é a Epitácio Pessoa).

Certo. Uma vez familiarizados com a geografia, não precisamos de muito para entender que se pegarmos o tempo anunciado para o trajeto “Centro via Rebouças” e subtrairmos o tempo do trajeto “Rebouças via Borges”, teremos um tempo estimado para o trajeto “Rebouças-Centro”. Perfeito!

Pois outro dia, saindo do Planetário, me deparei com o seguinte enigma: “Rebouças via Borges: 17 minutos”; “Centro via Rebouças: 17 minutos”. Qualquer pessoa normal teria interpretado isso como um erro, um bug.

Mas eu sou astrônomo e físico, o que me coloca um pouquinho à margem da normalidade (só um pouquinho!). Se da Gávea eu levo 17 minutos até o centro, via Rebouças, mas eu levo exatamente 17 minutos para chegar ao túnel, então só há uma resposta possível…

Buracos de minhoca! É claro, óbvio e evidente que alguma distorção do espaço-tempo (o famoso “warp”) vai me fazer percorrer toda a extensão do túnel Rebouças (mais o elevado Paulo de Frontin, no Rio Comprido) em exatamente 0 minuto! Só assim vou respeitar o que está escrito no letreiro luminoso.

Ah! Os buracos de minhoca… Originalmente chamados de “pontes de Einstein-Rosen”, eles unem dois pontos distintos do espaço-tempo através de uma distorção gravitacional. Quando o comandante Kirk ordena que sua nave viaje com velocidade warp, é isso que ele está dizendo: “distorça o espaço-tempo de modo que nosso destino fique consideravelmente mais próximo de nós do que ele está agora, e assim minha viagem seja encurtada em sua duração”. (OK, não precisa ser um gênio do cinema para entender que esta frase JAMAIS entraria em um filme…)

Infelizmente, não há o menor vislumbre tecnológico de que algum dia conseguiremos manipular o espaço-tempo desta maneira, construindo pontes de Einstein-Rosen em nosso benefício.

É… o aviso luminoso devia estar com algum defeito naquele dia…