Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Buraco negro na Via Láctea

Como observar um buraco negro? Bem, se levarmos ao pé da letra, não tem jeito. Por definição, um buraco negro não pode ser visto, já que a luz não sai dele. Mas podemos detectar a matéria que está ao seu redor sendo “devorada” por ele, a energia que se desprende para o espaço, calcular a sua massa e, finalmente, dizermos que ali deve ter um buraco negro.

Recentemente, um grupo de astrônomos japoneses, utilizando o radiotelescópio Nobeyama de 45 metros de diâmetro, detectaram sinais de um buraco negro com cerca de 100.000 massas solares ao redor do centro da Via Láctea, se considerado sua massa, ele é classificado como intermediário. Um grande buraco negro, com cerca de 4 milhões de massas solares, deve habitar o centro de nossa galáxia. Esse sim é grande. Os pequenos são formados quando uma grande estrela (supernova) explode no fim de sua vida e devem existir em maior quantidade.

O objeto identificado como CO-0.40-0.22 apresenta uma dispersão da matéria em duas diferentes direções e não está associada a nenhum objeto compacto, como poderia se pensar. Fazendo então os cálculos, se chegou à conclusão de que ali deve existir um buraco negro com 0,3 ano-luz de raio e massa de 100.000 vezes a massa do Sol. Se for confirmado, este seria o segundo maior buraco negro da Via Láctea.

Buracos negros intermediários como o CO-0.40-0.22 não são detectados ‒ esta foi a primeira vez e o seu aparecimento é um mistério. Vamos aguardar mais informações.