Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Arrumar ou jogar fora?

O que geralmente acontece quando um aparelho eletrônico para de funcionar? Temos duas soluções possíveis. A primeira seria, de um grande amigo que não poderei revelar o nome, “Jogue isto fora e compre outro igual ou melhor!”. Nem sempre é possível mas, continuemos. Uma segunda hipótese é arrumar e aí dependerá de vários fatores. Mas, e se o objeto em questão for um telescópio espacial de alguns milhões de dólares?

O telescópio espacial em questão é o Kepler, um instrumento poderoso que conseguiu observar quase mil planetas extrassolares de forma conclusiva e que ainda teria muito a nos oferecer. Porém, dois dos quatro giroscópios que servem para estabilizar o telescópio pararam de funcionar, ocasionando uma perda de orientação, inicialmente inutilizando o instrumento.

Os cientistas responsáveis pela missão estavam com um grande problema: o telescópio espacial parou porque precisava de, no mínimo, três giroscópios para se estabilizar e só possuía dois funcionando. E, buscando soluções para este problema, como se diz no popular, veio uma luz a eles, ou ao telescópio, basicamente.

Dois dos giroscópios foram acionados e o terceiro eixo foi orientado utilizando-se a pressão de radiação solar. Com esta solução está sendo possível orientar o instrumento e observar os campos alvos (ver figura 1) ao longo do plano da eclíptica.

Como o vento solar é orientado radialmente para fora, os campos alvos serão mudados a cada 75 dias aproximadamente, devido ao movimento ao redor do Sol. Com isto, novos aglomerados estelares, estrelas jovens e antigas, galáxias ativas e supernovas poderão ser estudadas e novos planetas, com períodos de rotação curtos poderão ser descobertos.

Agora, da próxima vez que um aparelho, eletrônico ou não, parar de funcionar, tente pensar em alguma coisa útil que possa ser feito com ele e não o descarte simplesmente. Isto vale para o meu amigo também….

Campos alvos do telescópio Kepler (NASA)

Não deixe de acompanhar nossa página no Facebook e nosso perfil no Twitter para ter conteúdos exclusivos de tudo o que está rolando no mundo da Astronomia, além das novidades do Planetário! Também temos um canal de conteúdo astronômico feito especialmente para as crianças. Confira aqui!