Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

Aposentadoria do Telescópio Espacial Kepler

Esta semana marcou o fim de uma das missões mais bem sucedidas da NASA. Após quase 10 anos de operação, o combustível do Telescópio Espacial Kepler chegou ao fim. Os 692 milhões de dólares investidos na construção e lançamento do telescópio viabilizaram a descoberta de 2.681 planetas extrassolares e outros 2.899 candidatos. 

Construção do Telescópio Kepler. Crédito: NASA/Troy Cryder

Antes do telescópio Kepler, simplesmente não sabíamos se os planetas eram comuns ou raros em nossa Galáxia. Nesse sentido, os resultados obtidos pelo telescópio Kepler são impressionantes, pois permitem estimar que, em nossa Galáxia, os planetas são mais comuns do que as estrelas. São bilhões de planetas rochosos como a Terra, e que estão orbitando suas estrelas na chamada zona de habitabilidade (onde água poderia existir na forma líquida).

Ilustração do Telescópio Espacial Kepler em órbita. Crédito: NASA.

Graças ao Kepler, temos uma visão muito mais completa sobre a estatística de planetas em nossa Galáxia e, por que não, bem mais otimista sobre a possibilidade de existência de vida extraterrestre. Valeu Kepler!