Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A.L.M.A.

 

A ciência já foi acusada, algumas vezes, de não ter alma… Esse eufemismo, na minha humilde opinião, é até um elogio. A ciência realmente não deve ter alma. Nem coração. A ciência deve ser desprovida de paixões. A ciência deve se preocupar tão somente com o entendimento da realidade.

Cientistas, por outro lado, estão livres para exercer suas paixões e suas vontades. Para atuar em prol de suas idiossincrasias. Mas os cientistas são muitos e, na média, em grande escala, estas paixões se cancelam, resultando em uma ciência imparcial e livre de ardores. Uma ciência sem alma…

Mas eis que agora a Astronomia e os astrônomos podem bater no peito e gritar: “Sim, nós temos ALMA”. Escrito assim, com letras maiúsculas, o termo é um acróstico em inglês que quer dizer “Atacama Large Milimeter-submilimeter Array”, ou “Grande Rede Milimétrica-submilimétrica do Atacama”.

Atacama, sabemos, é um deserto localizado no Chile. É lá que temos o melhor céu do mundo, no que se refere às condições para observação astronômica. Lá é seco (sem umidade), alto (pouca atmosfera no meio do caminho) e longe de qualquer cidade (sem poluição luminosa).

O “M” do nome se refere ao tamanho do comprimento de ondas que este instrumento está preparado para captar. São ondas milimétricas e submilimétricas, na faixa das ondas de rádio. Os astros emitem em diversos comprimentos de onda, mas a nossa atmosfera filtra a maior parte deles. As duas grandes “janelas” atmosféricas são para as ondas visíveis e as ondas de rádio. Assim, só faz sentido construir telescópios terrestres que “enxerguem” no visível o no comprimento das ondas rádio. O ALMA enxerga ondas de rádio; é um rádio-telescópio.

Por fim, chegamos ao “large array”, a “grande rede” em português. Um rádio-telescópio típico tem a forma de uma antena parabólica. As ondas de rádio refletem na superfície parabólica e se concentram no foco do instrumento, onde há um receptor. Quanto maior a antena, mais ondas ela capta e mais detalhes teremos para analisar.

Em um exercício criativo de engenharia, as rádio-antenas começaram a ser construídas em conjuntos, ou arrays, de modo que cada uma seja responsável por receber um “pedaço” da informação. Todos os “pedaços” são “colados” por um algoritmo de computador e a imagem final obtida é a equivalente a que se conseguiria com uma antena única muito maior.

O ALMA, quando estiver em pleno funcionamento, reunirá nada menos que 66 antenas! Uma “grande rede” de fato. Sua estreia foi ontem, com apenas 12 antenas em funcionamento. E as imagens obtidas já são espetaculares!