Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A Relatividade à beira da Piscina

Quando Einstein concluiu sua Teoria da Relatividade, em 1915, ficou comprovado que o tempo (assim como o espaço) é relativo. Einstein costumava brincar dizendo que um minuto ao lado de uma bela mulher passa muito mais rápido do que um minuto segurando uma panela quente.

Certamente, era uma brincadeira (um tanto machista, diga-se de passagem). O que Einstein descreve nesse exemplo é o tempo subjetivo, e não o tempo relativo. A percepção do tempo não tem nada a ver com a Teoria da Relatividade, que nos diz justamente o contrário: há métodos seguros e precisos para medirmos o tempo, que é relativo, e que não dependem de nossas percepções.

Mas é o tempo subjetivo que mais nos afeta e é a ele que estamos atrelados. Pois bem: Ísis (minha filha, com quase três anos de idade) fez ontem sua primeira aula de natação sem fralda. Foram trinta minutos tensos, comigo aflito, por perto, esperando por um “acidente” a qualquer momento.

No final, deu tudo certo. Mas como demoraram para passar aqueles trinta minutos!

Tempo subjetivo…