Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A próxima revolução

 

Nos livros de história a palavra revolução costuma vir associada aos movimentos de transformação social e política, ocorridos, em geral, por via violenta. Agora, em julho, os franceses celebram o aniversário da “Queda da Bastilha”, marco da Revolução Francesa. A ciência, por vezes, nos oferece visões inesperadas do mundo em que vivemos, verdadeiras “revoluções científicas”, por permitirem transformações igualmente profundas. Um dos casos mais famosos é o da contribuição da luneta astronômica, em 1609, no embate Geocentrismo versus Heliocentrismo. Pois bem, esta semana o European Southern Observatory (Observatório Europeu do Sul), a principal organização europeia de astronomia, aprovou no dia 11 de junho, um megaprojeto que promete produzir uma nova revolução científica.

Trata-se do European Extremely Large Telescope (Telescópio Europeu Extremamente Grande), que terá um espelho principal com incríveis 39,3 metros de diâmetro. Este será o maior telescópio ótico e infravermelho já construído, permitindo uma nitidez de imagem que nenhum telescópio, seja no solo, seja no espaço, é capaz de obter atualmente.

Planeja-se o início das operações do telescópio gigante em meados da próxima década, certamente procurando respostas para algumas das principais indagações, não só dos astrônomos, mas do ser humano em geral. Uma delas diz respeito à existência ou não de vida fora da Terra. O “grandão” estudará planetas parecidos com a Terra, localizados na chamada “zona de habitabilidade”, região onde a vida poderia ter mais chances de surgir. Espera-se também que obtenhamos importantes resultados para a cosmologia, por meio do estudo das primeiras estrelas e galáxias que surgiram no Universo, e quem sabe, obter respostas sobre outra questão perturbadora: qual a origem do Universo?