Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A Nebulosa de Órion

Semana passada falamos sobre uma das lendas que povoam o céu, uma lenda que fala de um recado de Zeus para a humanidade, deixado na forma de uma eterna encenação celeste que envolve as constelações de Órion e do Escorpião.

Aproveitando os últimos momentos do Órion no céu noturno, gostaria de chamar sua atenção essa semana para um dos objetos mais notáveis nessa constelação, a nebulosa M42 ou nebulosa de Órion.

Constelação do Órion com as Três Marias e a nubulosa de Órion (Skatebiker)

Pensando no desenho de um caçador, onde as Três Marias representam o cinto dele, a nebulosa de Órion seria a espada pendurada no cinto. Como qualquer objeto de pouco brilho, ela é muito mais facilmente identificada num céu bem escuro, longe da poluição luminosa das grandes cidades.

Situada a cerca de 1.340 anos-luz de nós, essa nebulosa é a regão de formação estelar mais próxima de nós.

Nebulosas são regiões de gás e poeira. Algumas nebulosas conseguem dar origem a estrelas, e esse é o caso da nebulosa de Órion. Partes dela estão colapsando, formando glóbulos onde lá no centro se formará uma estrela quando a pressão for suficiente para dar início às reações de fusão nuclear. Na nebulosa do Órion já foram observadas cerca de 700 estrelas em diversos estágios de evolução.

Para encontrar a nebulosa no céu, procure pelas Três Marias, acima do seu horizonte oeste, perto de onde o Sol se pôs, bem no início da noite.

Carta Celeste do Rio de Janeiro, dia 24 de abril de 2019 às 18h, no horário local. O Órion está à direita, próximo do horizonte oeste (letra “W”)

Nebulosas como a do Órion nos permitem estudar os estágios iniciais da formação estelar e, como sabemos, ao redor das estrelas se formam também planetas. O Telescópio Espacial Hubble observou mais de 150 discos protoplanetarios na nebulosa do Órion, discos de gás e poeira girando ao redor de uma estrela em formação que abrigará planetas. É bastante possível que, assim como ocorreu no Sistema Solar, alguns desses discos protoplanetários tenham também as condições para a criação da vida.

Discos Protoplanetários observados pelo Telescópio Espacial Hubble (HST)

A nebulosa do Órion é também um dos objetos mais fotografados do céu noturno, sendo um dos modelos celestes preferidos dos astrofotógrafos.

Aproveite as próximas noites para procurar no céu esse berçário de estrelas, fácil de se observar diretamente sem nenhum instrumento. Quem tiver a oportunidade de estar com um telescópio ou mesmo com um simples binóculo, também não perca a oportunidade de apreciar a nebulosa com maiores detalhes.