Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A Lua e os “ursos-d’água”

Em abril deste ano, uma sonda israelense chamada Beresheet colidiu com a Lua. A sonda tinha como objetivo pousar no nosso satélite, mas falhas técnicas acabaram impedindo a missão de ser concluída. A parte mais interessante (e talvez preocupante) é que a Beresheet não era uma sonda qualquer. Ela era considerada a primeira “biblioteca lunar”.

A Beresheet carregava algo parecido com uma enciclopédia digital em folhas de níquel, contendo o equivalente a 30 milhões de páginas com milhares de imagens de livros, manuais, a Wikipédia em inglês, milhares de obras da literatura clássica, mostras de DNA humano, células e milhares de tardígrados. Ou seja, a sonda continha material terrestre e, com a colisão, provavelmente esse material foi despejado na Lua.

Mas, o que são tardígrados?

Os tardígrados, também conhecidos como ursos-d’água, são animais invertebrados de 0,1-0,5 milímetro de tamanho, semelhantes aos articulados. Habitam a Terra na superfície de musgos e de líquens. Eles são microrganismos extremófilos, capazes de suportar alta pressão (até 6 mil atmosferas), sobreviver a até 5 mil Gy de radiação e aguentam enormes mudanças de temperatura. Além disso, essas criaturas são capazes de “ressuscitar” depois de passarem até três décadas congeladas. Os ursos-d’água conseguem sobreviver em qualquer lugar, até mesmo no espaço!

Não é fofinho?

Alguns cientistas que analisaram a trajetória da nave e a composição da enciclopédia digital acreditam que existe uma grande possibilidade de que ela tenha sobrevivido à colisão. Isso significa que talvez os tardígrados tenham sobrevivido à queda e, considerando que esses bichinhos são quase imortais, a maior preocupação dos cientistas é que eles se proliferem e deem início a uma colônia na Lua.

Os responsáveis pelo desenvolvimento da missão afirmaram que os tardígrados estão em recipientes selados, e como estão desidratados, mesmo que esses recipientes tenham sido abertos, os organismos não terão condições de voltar à vida sozinhos e nem de se reproduzir, principalmente estando no ambiente lunar. Vamos torcer!