Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A Estrela que Engoliu um Planeta

Foi observada uma estrela que muito provavelmente engoliu um dos planetas que a orbitavam. O interesse despertado por essa observação está no fato de que algo semelhante deve acontecer com o Sol e a Terra.

Algumas estrelas passam por um estágio de sua evolução em que aumentam de tamanho, transformando-se em uma Estrela Gigante. Planetas próximos podem ser engolidos, e acredita-se que isso tenha acontecido com a estrela BD 48-740 e um planeta que a orbitava.

A abundância do elemento lítio na atmosfera da estrela BD 48-740, na constelação de Perseu, é incomum. Esse elemento é destruído pelas reações nucleares que geram a energia produzida pela estrela. Tal abundância pode ser explicada pela presença de material vindo de um possível planeta que a orbitava.

Além disso, medidas da velocidade da estrela ao longo da linha de visada, a linha imaginária que sai do seu olho, ou do telescópio, e vai até a estrela, indicam a presença de um planeta com 1,6 vezes a massa de Júpiter descrevendo uma órbita altamente excêntrica (excentricidade: e=0.67 +/- 0.17 , semi-eixo maior: a=1.89 UA , período de revolução P=771 dias). Essa configuração é incomum em sistemas planetários, e pode indicar um reordenamento por causa da evolução da estrela BD 48-740.

Se observações futuras confirmarem a hipótese dessa estrela ter se tornado uma gigante e engolido o pobre planetinha próximo, essa é a primeira vez que observamos esse acontecimento, já previsto pela teoria de evolução estelar. E é isso que deve acontecer com nosso Sol: se transformará numa gigante vermelha e engolirá Mercúrio, Vênus e Terra.

 

É sempre um momento importante quando observamos no céu algo que era previsto. Esse pode ser um desses momentos. Isso me faz lembrar o impacto do cometa Shoemaker-Levy 9 com Júpiter em 1994. Conhecemos milhares de crateras no Sistema Solar, na Lua, na Terra, em Marte, e em diversos corpos menores. Tais crateras só poderiam ter sido criadas por impactos. Mas nunca um desses impactos tinha sido observado, até esse evento em 1994.

Se você ficou preocupado em saber que o Sol vai virar uma gigante vermelha e engolir a Terra, esqueça isso. Ainda temos alguns bilhões de anos até esse processo se iniciar, mas, muito provavelmente, a vida em nosso planeta vai acabar bem antes disso acontecer. Nossos motivos reais de preocupação são os de sempre: poluição, violência, corrupção, grandes desníveis sociais etc. Temos um bom tempo de humanidade e ainda lidamos com esses fantasmas, criados por nós mesmos. É com isso que devemos nos preocupar. O Sol vai continuar sendo motivo de belos e alegres dias por muito tempo ainda.

Links de Interesse:

– Artigo Original (em inglês)

– BBC Brasil

 

– Veja