Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A Curvatura do Espaço-Tempo e uma Exposição na Alemanha

 

Quando Albert Einstein formulou a Teoria da Relatividade Geral, em 1915, que diz, entre outras coisas, que a luz sofre um desvio na presença de um campo gravitacional, ele talvez nunca tenha imaginado que este novo conceito cosmológico seria um dia usado como modelo para uma exposição! Se bem que nós estamos falando de Einstein.

Bem, mesmo não duvidando que um dos maiores cientistas do mundo teria imaginado esta exposição, o fato é que ela foi idealizada pelo argentino Tomás Saraceno para o museu de Düsseldorf, na Alemanha, e cria representações da estrutura do Universo e simula como os campos gravitacionais deformam o espaço-tempo.

Chamada de “In Orbit”, a exposição foi colocada a 20 metros de altura, cobrindo uma área de 2.500 m2, em três andares de redes interligadas! O visitante pode caminhar sobre as redes e com isso observar uma deformação causada pelo seu peso. A intenção do idealizador da exposição é justamente essa, fazer com que o visitante crie uma analogia da deformação na rede com a de um astro no espaço-tempo. Esferas gigantes de PVC transparentes também ajudam a visualizar a deformação.

O que é sensacional na exposição é a capacidade de promover expectativa e fascínio. Como as redes estão suspensas a sensação de estar flutuando deve ser bem incrível. Quem não gostaria?

Outra coisa que a exposição mostra é a tendência em museus de arte de criar exposições que envolvam mais o visitante em seus acervos, explorando conceitos e fenômenos científicos, tornado o ambiente mais ativo para o aprendizado.

Podemos dizer que único problema desta exposição é que ela fica na Alemanha! Mas quem sabe um dia algum dos nossos museus brasileiros não aproveita esta ideia ou cria uma melhor ainda?