Usamos cookies em nosso site para lhe dar a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e repetindo visitas. Ao clicar em "Aceitar tudo", você concorda com o uso de TODOS os cookies. No entanto, você pode visitar "Configurações de cookies" para fornecer um consentimento controlado.

Visão geral da privacidade

Este site usa cookies para melhorar sua experiência enquanto você navega pelo site. Destes, os cookies categorizados conforme necessário são armazenados no seu navegador, pois são essenciais para o funcionamento das funcionalidades básicas do site. T...

Sempre ativado

Os cookies necessários são absolutamente essenciais para que o site funcione corretamente. Esta categoria inclui apenas cookies que garantem funcionalidades básicas e recursos de segurança do site. Esses cookies não armazenam nenhuma informação pessoal.

Quaisquer cookies que podem não ser particularmente necessários para o funcionamento do site e são usados especificamente para coletar dados pessoais do usuário através de análises, anúncios, outros conteúdos incorporados são denominados como cookies não necessários. É obrigatório obter o consentimento do usuário antes de executar esses cookies em seu site.

A Agência Espacial da Síria

 

Desenvolvimento científico e desenvolvimento bélico sempre tiveram uma relação íntima, infelizmente. Enormes avanços na ciência foram conseguidos por causa do dinheiro investido para se fazer guerras ou para se proteger delas. A tecnologia usada para levar foguetes ao espaço, que vão lançar satélites ou levar astronautas, não é muito diferente da tecnologia usada para lançar mísseis que vão destruir cidades.

 

E a Síria, já com três anos de uma guerra civil, que matou mais de 140 mil pessoas, acaba de anunciar a criação de sua agência espacial. Segundo o governo, “com o objetivo de usar tecnologia espacial para exploração e observação da Terra”. A agência estatal de notícias da Síria disse ainda que a agência empregará sua tecnologia “a serviço do desenvolvimento”.

 

Não podemos deixar que guerras e conflitos internos impeçam um país de se desenvolver e, muito menos, de participar da construção do conhecimento científico. O que levanta questionamentos sobre os reais objetivos da agência espacial síria é o momento histórico em que ela está sendo criada.

 

O primeiro ministro sírio, Wael al-Halqi, calcula que a guerra já custou ao país cerca de 31,3 bilhões de dólares. O PIB sírio deste ano está estimado em 34 bilhões de dólares, pela Economist Intelligence Unit.

 

Pois é, com um balanço econômico desse, o mundo está se perguntando como a Síria vai conseguir erguer sua agência espacial.

 

Muitas vezes, projetos desse tipo são aprovados no papel mas condições práticas impendem sua concretização naquele momento. O Brasil nunca teve um conflito interno nas proporções do que acontece na Síria, mas o nosso Observatório Nacional começou a nascer com D. Pedro I e teve que esperar D. Pedro II para engrenar de fato.

 

Essa ligação íntima entre Ciência e guerra causa repúdio em muitos cientistas. Sobre guerra, Einstein disse: “prefiro deixar-me assassinar a participar desta ignomínia”. Vamos torcer para que essa agência, se começar de fato a funcionar, produza conhecimento e não fomente a insistência na ignorância da guerra. Que lance veículos espaciais e não mísseis.

 

Leia mais em:

 

Portal Terra

 

Jornal Al Arabiya (em inglês)

 

Site The Wire (em inglês)